sicnot

Perfil

Mundo

Moldavos entre os capturados pelos talibãs após acidente de helicóptero no Afeganistão

Cidadãos moldavos figuram entre os estrangeiros capturados pelos talibãs na terça-feira após a aterragem de urgência de um helicóptero no norte do Afeganistão, revelou hoje o Governo moldavo.

reuters

"De acordo com a informação que o Governo moldavo dispõe neste momento, seguiam 21 pessoas no helicóptero, incluindo três membros da tripulação -- dois pilotos e um engenheiro -, todos cidadãos moldavos", disse o primeiro-ministro interino Gheorghe Brega, aos jornalistas, depois de uma reunião de emergência, indicando que três das pessoas que seguiam a bordo morreram.

O helicóptero, propriedade da empresa privada moldava Valan ICC, participava "de uma missão de manutenção de paz no Afeganistão", ao abrigo de um contrato com o exército afegão, segundo o mesmo responsável, que adiantou que a Moldávia pediu aos Estados Unidos e à Roménia para a ajudarem a libertar os reféns.

A aeronave efetuou, na terça-feira, uma aterragem de urgência na província de Faryab, no norte do Afeganistão, "devido a um problema técnico", segundo as autoridades locais.

Os rebeldes talibãs, que controlam parcialmente o distrito de Pashtun Kot, onde ocorreu o acidente, mataram três ocupantes do helicóptero, incluindo dois soldados e um estrangeiro, e capturaram 18 outros, dos quais dois estrangeiros, segundo as informações facultadas pelo Ministério da Defesa afegão em comunicado.

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".