sicnot

Perfil

Mundo

ONU diz que medidas do Governo brasileiro e de mineradoras após rutura de barragem foram insuficientes

Especialistas das Nações Unidas em Direitos Humanos sobre meio ambiente e resíduos tóxicos afirmaram hoje que as medidas do Governo brasileiro e das empresas mineradoras responsáveis pela barragem que se rompeu em Minas Gerais foram "claramente insuficientes".

(arquivo)

(arquivo)

© Ricardo Moraes / Reuters

Duas barragens da empresa Samarco romperam-se na cidade de Mariana no passado dia 05, e a lama com resíduos da exploração de minério de ferro invadiu a localidade de Bento Rodrigues, destruindo casas e provocando mais de 20 mortos e desaparecidos.

A lama com os resíduos invadiu o rio Doce e chegou também a outras cidades de Minas Gerais e ao Estado do Espírito Santo, onde desaguou no mar e deixou um rastro de destruição, com a morte de peixes e afetando o abastecimento de água.

Os relatores especiais da ONU sobre direitos humanos John Knox, especialista em meio ambiente, e Baskut Tuncak, em substâncias perigosas, pediram que o Governo brasileiro e as empresas participadas da Samarco, a Vale e a BHP Biliton, adotem medidas para proteger o meio ambiente e as comunidades em risco de exposição aos resíduos tóxicos.

"Não é aceitável que tenha demorado três semanas para que informações sobre os riscos tóxicos da catástrofe da mina tenham vindo à tona", afirmaram os especialistas, em comunicado divulgado hoje pela ONU.

Os relatores disseram também que a rutura das barragens lançou no rio Doce 50 milhões de toneladas de resíduos de minério de ferro, com altos níveis de metais e produtos químicos tóxicos, e questionaram se as leis do Brasil são consistentes com os padrões internacionais de direitos humanos.

"Este desastre serve como mais um exemplo trágico do fracasso das empresas em conduzir adequadamente as diligências necessárias para prevenir violações de direitos humanos", disseram.

O Governo brasileiro divulgou hoje ter tomado todas as ações de emergência após a rutura das barragens, e que agora monitora a situação, em declarações à imprensa dos ministros Gilberto Occhi, da Integração Nacional, e Izabella Teixeira, do Meio Ambiente.

"O governo atuou por intermédio de uma 'task force' com todos os setores na busca de salvar pessoas e, num segundo momento, que até hoje permanece, na garantia do abastecimento de água às 15 cidades atingidas", disse Izabella Teixeira, ao programa Bom Dia Ministro, do Governo do país.

Lusa

  • Costa preparado para falar da renegociação da dívida no plano europeu
    2:24

    Economia

    O primeiro-ministro não quer quebrar com as regras impostas pela UE e não vai dar o primeiro passo na renegociação da dívida, mas estará na linha da frente quando Bruxelas ceder. Em entrevista à RTP, António Costa garante que o Governo cumpriu tudo aquilo que acordou com o presidente demissionário da Caixa Geral de Depósitos, António Domingues.

  • Benfica persegue oitavos da Liga dos Campeões

    Desporto

    O Benfica tenta hoje a qualificar-se para os oitavos de final da Liga dos Campeões de futebol, procurando uma vitória na receção ao Nápoles que lhe permita vencer o Grupo H e manter-se a salvo do perseguidor Besiktas.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.

  • Nova Deli é "altamente tóxica" para os cidadãos

    Mundo

    Nova Deli foi considerada altamente tóxica para os cidadãos. A capital da Índia é considerada há mais de três anos a cidade mais poluída do mundo, mas só este ano se concluiu que é tão tóxica que é capaz de provocar doenças crónicas a quem lá vive.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.