sicnot

Perfil

Mundo

ONU diz que medidas do Governo brasileiro e de mineradoras após rutura de barragem foram insuficientes

Especialistas das Nações Unidas em Direitos Humanos sobre meio ambiente e resíduos tóxicos afirmaram hoje que as medidas do Governo brasileiro e das empresas mineradoras responsáveis pela barragem que se rompeu em Minas Gerais foram "claramente insuficientes".

(arquivo)

(arquivo)

© Ricardo Moraes / Reuters

Duas barragens da empresa Samarco romperam-se na cidade de Mariana no passado dia 05, e a lama com resíduos da exploração de minério de ferro invadiu a localidade de Bento Rodrigues, destruindo casas e provocando mais de 20 mortos e desaparecidos.

A lama com os resíduos invadiu o rio Doce e chegou também a outras cidades de Minas Gerais e ao Estado do Espírito Santo, onde desaguou no mar e deixou um rastro de destruição, com a morte de peixes e afetando o abastecimento de água.

Os relatores especiais da ONU sobre direitos humanos John Knox, especialista em meio ambiente, e Baskut Tuncak, em substâncias perigosas, pediram que o Governo brasileiro e as empresas participadas da Samarco, a Vale e a BHP Biliton, adotem medidas para proteger o meio ambiente e as comunidades em risco de exposição aos resíduos tóxicos.

"Não é aceitável que tenha demorado três semanas para que informações sobre os riscos tóxicos da catástrofe da mina tenham vindo à tona", afirmaram os especialistas, em comunicado divulgado hoje pela ONU.

Os relatores disseram também que a rutura das barragens lançou no rio Doce 50 milhões de toneladas de resíduos de minério de ferro, com altos níveis de metais e produtos químicos tóxicos, e questionaram se as leis do Brasil são consistentes com os padrões internacionais de direitos humanos.

"Este desastre serve como mais um exemplo trágico do fracasso das empresas em conduzir adequadamente as diligências necessárias para prevenir violações de direitos humanos", disseram.

O Governo brasileiro divulgou hoje ter tomado todas as ações de emergência após a rutura das barragens, e que agora monitora a situação, em declarações à imprensa dos ministros Gilberto Occhi, da Integração Nacional, e Izabella Teixeira, do Meio Ambiente.

"O governo atuou por intermédio de uma 'task force' com todos os setores na busca de salvar pessoas e, num segundo momento, que até hoje permanece, na garantia do abastecimento de água às 15 cidades atingidas", disse Izabella Teixeira, ao programa Bom Dia Ministro, do Governo do país.

Lusa

  • Presidente do Sporting vai processar um dos sócios do clube
    0:42

    Desporto

    Bruno de Carvalho anunciou esta sexta-feira que vai processar o sócio José Pedro Rodrigues. O presidente do Sporting acusa o sócio de ter posto a circular um documento falso que revelava que Bruno de Carvalho estaria a ser investigado por causa das transferências de Bruno César e Alan Ruiz. O caso fez Bruno de Carvalho tomar uma decisão sobre o futuro.

  • Bruno de Carvalho contra almoço de Dias da Cunha e Menezes Rodrigues com Luís Filipe Vieira
    1:17

    Desporto

    Bruno de Carvalho insurgiu-se, esta sexta-feira, contra Dias da Cunha e Menezes Rodrigues por terem estado, em Setúbal, num almoço com Luís Filipe Vieira. Durante o discurso na Assembleia-geral do clube, o presidente dos leões considerou lamentável a atitude dos dois sportinguistas numa altura em que o Benfica é acusado pelos rivais de poder estar envolvido num alegado esquema de corrupção e tráfico de influências.

  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Atirador canadiano mata combatente do Daesh a 3,5km de distância

    Mundo

    Um atirador das Forças Especiais do Canadá matou um combatente do Daesh com um tiro disparado a 3,5 quilómetros de distância, no passado mês de maio, no Iraque. O Comando de Operações Especiais canadiano garantiu à BBC que a distância do disparo, realizado com sucesso, é já considerada um recorde na história militar.

  • Revelada a verdadeira identidade de Banksy?

    Cultura

    O músico e produtor Goldie pode ter revelado a identidade do artista mais conhecido por Banksy, durante uma entrevista ao podcast do rapper Scroobius Pip. Goldie referiu Robert Del Naja de forma acidental e os fãs acreditam que a identidade do artista britânico foi finalmente desvendada.

  • "Mãe, por favor, para de dizer asneiras. Não quero que leves um tiro"
    0:51

    Mundo

    O Departamento de Investigação da Polícia do Minnesota divulgou esta sexta-feira um vídeo com imagens de um incidente que levou à morte de um afro-americano pela polícia, nos Estados Unidos da América. Em julho de 2016 um polícia atingiu mortalmente Philando Castile, de 32 anos, durante uma operação de controlo rodoviário. O homem procurava os documentos de identificação quando o polícia disparou quatro tiros. Nas imagens é possível ver o desespero da filha da companheira de Philiando Castile, minutos depois de ter visto o padrasto a morrer. O agente responsável pela morte de Castile foi absolvido pelo Tribunal na semana passada.

  • Depois da "provocação", o acidente em cadeia
    0:43

    Mundo

    Um vídeo de um acidente numa autoestrada em Santa Clarita, na Califórnia (EUA), está a tornar-se viral nas redes sociais. Nas imagens é possível ver um motociclista a dar um pontapé num carro que seguia à sua frente. Como forma de "retribuição", o carro vira na direção da mota mas bate no separador e depois numa carrinha que acabou por capotar. Segundo a imprensa norte-americana o condutor da carrinha foi levado para o hospital com ferimentos ligeiros. Já a pessoa que conduzia a mota seguiu o seu caminho. 

  • Johnny Depp pede desculpa por piada a sugerir assassínio de Trump

    Mundo

    Johnny Depp pediu esta sexta-feira desculpa por ter feito uma piada sobre assassinar Donald Trump, durante a sua atuação no Festival de Glastonbury, em Inglaterra. "Quando foi a última vez que um ator assassinou um Presidente?", foi assim que o ator e músico falou para a multidão que o estava a ver. Contudo, as declarações não foram bem recebidas pela Casa Branca, que emitiu um comunicado a condenar as palavras.