sicnot

Perfil

Mundo

Tóquio pede calma a Moscovo e Ancara após derrube de avião russo

O Governo japonês pediu hoje à Rússia e à Turquia "calma" relativamente ao caso do derrube de um avião russo por parte de Ancara na fronteira turco-síria, na terça-feira, e que elevou a tensão entre os dois países.

Yoshihide Suga, porta-voz do Governo do Governo do Japão (Arquivo)

Yoshihide Suga, porta-voz do Governo do Governo do Japão (Arquivo)

© KYODO Kyodo / Reuters

"Gostaríamos que os dois países implicados respondessem com calma e com base nos factos", declarou hoje o porta-voz do Governo do Japão, Yoshihide Suga, em conferência de imprensa.

"Esperamos que a comunidade internacional permaneça unida contra o terrorismo", afirmou, em declarações reproduzidas pela agência Kyodo.

O ministro rejeitou tecer mais comentários perante a falta de detalhes concretos sobre o incidente.

A Turquia anunciou que dois dos seus caças-bombardeiros F-16 abateram um SU-24 russo que violou o espaço aéreo turco dez vezes num período de cinco minutos ao longo da fronteira com a Síria, ignorando todas as advertências.

Versão diferente apresentou o Presidente da Rússia, Vladimir Putin, que assegurou que o SU-24 não ameaçava a Turquia e que sobrevoava território sírio, a quatro quilómetros da fronteira, e advertiu que a "facada nas costas" vai ter "consequências sérias" nas relações entre os dois países.

Lusa

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Os Simpsons já sabiam em 1998 que a Fox iria pertencer à Disney

    Cultura

    Os Simpsons acertaram outra vez. Algo que tem acontecido regularmente nos últimos tempos, com a eleição de Donald Trump, o aparecimento do vírus Ébola ou o escândalo dos Panama Papers. Desta vez, a previsão remonta a 1998, quando a série previu que a 20th Century Fox iria pertencer à Disney.

    SIC