sicnot

Perfil

Mundo

Noruega coloca encartes em jornais afegãos para dissuadir refugiados

A Noruega está a colocar encartes em jornais no Afeganistão para tentar dissuadir potenciais migrantes e requerentes de asilo afegãos de pedir asilo no território norueguês, indicou hoje o governo de Oslo.

© Yannis Behrakis / Reuters

"O objetivo é convencer estas pessoas a não vender todos os seus bens e a confiar em traficantes de seres humanos, pois arriscam-se a ser repatriados para o país de onde vêm", afirmou, em declarações à agência francesa AFP, Jøran Kallmyr, secretário de Estado do Ministério da Justiça norueguês.

Com o título "Regras de imigração mais restritas na Noruega", o encarte publicado em inglês e na língua local dari explica, nomeadamente, que as pessoas oriundas de áreas seguras no Afeganistão ou aquelas que dispõem de um título de permanência em outro país serão expulsas, pela força caso necessário.

Este país escandinavo registou recentemente um crescimento nos pedidos de asilo por parte de cidadãos afegãos. Nas últimas três semanas, chegaram mesmo a ultrapassar (2.212) os pedidos de cidadãos sírios (2.138).

Na tentativa de contrariar a reputação de ser um país aberto, a Noruega também lançou no início de novembro uma campanha na rede social Facebook para informar os potenciais requerentes de asilo das dificuldades que vão encontrar para obter uma autorização de residência no território norueguês.

Em setembro passado, a Dinamarca já tinha lançado uma ação com contornos quase semelhantes.

A Dinamarca colocou anúncios em quatro jornais no Líbano para advertir potenciais migrantes e requerentes de asilo de que as autoridades de Copenhaga tinham agravado as condições de permanência no território dinamarquês.

Os anúncios das autoridades dinamarquesas também informaram na altura que os apoios sociais para os novos migrantes tinham sido reduzidos "até 50%" e que o reagrupamento familiar não é autorizado durante o primeiro ano para os titulares de uma autorização de residência temporária.

A Noruega também reforçou temporariamente, a partir de hoje, os controlos aleatórios nas fronteiras e iniciou controlos de identidade sistemáticos nos ferries provenientes da Alemanha, Dinamarca e Suécia.

Desde que a Suécia anunciou, na terça-feira, um endurecimento da sua política de asilo, as autoridades norueguesas temem que o número de migrantes que tenta entrar no seu território aumente significativamente.

A Noruega, país com 5,2 milhões de habitantes, acolheu desde o início do ano cerca de 30 mil requerentes de asilo. O país integra o espaço Schengen (zona de livre circulação), mas não é membro da União Europeia (UE).

Lusa

  • Primeiro-ministro hoje na cidade da Praia 

    País

    O primeiro-ministro, António Costa, está hoje em Cabo Verde para a a IV cimeira bilateral entre Portugal e aquele país africano, aproveitando a passagem pela cidade da Praia para inaugurar a escola portuguesa.

  • As polémicas do primeiro mês de Donald Trump como Presidente
    3:17
  • Deputados britânicos debatem hoje petição que desvaloriza visita de Donald Trump

    Mundo

    Os deputados britânicos debatem hoje uma petição que reclama que a futura visita de Estado do Presidente norte-americano, Donald Trump, seja reduzida a uma visita oficial, enquanto dezenas de milhares de pessoas se manifestam sobre o mesmo assunto. Dezenas de milhares de pessoas são esperadas hoje nas ruas de várias cidades do Reino Unido, em protestos organizados para coincidir com a discussão no parlamento (na Câmara dos Comuns) de uma petição 'online' que já tem quase dois milhões de subscritores.

  • Portugal sem resposta de Moçambique sobre português desaparecido em Maputo
    1:25

    País

    Portugal tem tentado, sem sucesso, obter respostas das autoridades moçambicanas sobre o rapto de um empresário português há sete meses. De acordo com a notícia avançada este domingo pelo jornal Público, uma carta enviada há duas semanas pelo Presidente da República ao homólogo moçambicano não teve resposta. O Governo de Moçambique tem ignorado pedidos de informação das autoridades portuguesas.

  • Matteo Renzi demite-se da liderança do Partido Democrático

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro italiano Matteo Renzi demitiu-se hoje da liderança do Partido Democrata (PD), uma decisão que faz parte de uma estratégia para retomar o controlo da formação de centro-esquerda, onde uma minoria mais à esquerda ameaça cindir-se.