sicnot

Perfil

Mundo

Papa condena violência e "ataques bárbaros" em nome de Deus

O Papa Francisco denunciou hoje em Nairobi, primeira etapa na sua viagem a África, a radicalização dos jovens em "ataques bárbaros" e condenou toda a violência reivindicada em nome de Deus.

© Thomas Mukoya / Reuters

"O nome de Deus não pode justificar o ódio e a violência", disse, diante dirigentes religiosos quenianos - muçulmanos, protestantes e anglicanos -, denunciando o facto de "jovens se terem radicalizado em nome da religião" para cometer "ataques bárbaros", citando os massacres do Westgate Mall, de Garissa e de Mandera.

Os exemplos citados referem-se aos quatro atentados mais graves ocorridos no Quénia nos últimos dois anos, todos atribuídos ou reivindicados pelo grupo 'jihadista' somali Al Shabab, que contesta o destacamento de tropas quenianas no território da Somália: o ataque ao comercial de Westgate (67 mortos), os dois na povoação de Mandera (64 mortos) e o da Universidade de Garissa (148 mortos).

"Com demasiada frequência radicalizam-se os jovens em nome da religião para semear a discórdia e o medo, e para desgarrar o tecido das nossas sociedades", lamentou Francisco.

Para o Papa, a relação entre distintos credos "impõe desafios e interrogações", contudo, o diálogo ecuménico e inter-religioso "não é um luxo", mas antes algo "fundamental de que o mundo "necessita cada vez mais".

"Num mundo cada vez mais interdependente, vemos sempre, com maior clareza, a necessidade de uma mútua compreensão inter-religiosa, de amizade e colaboração para a defesa da dignidade" e o direito dos povos a "viver em liberdade e felicidade", argumentou.

Neste sentido, recordou que este ano se celebra o 50º aniversário da conclusão do Concílio Vaticano II, em que a Igreja católica se comprometeu com o diálogo ecuménico e inter-religioso ao serviço da compreensão e da amizade.

Depois do encontro, o papa vai oficiar uma missa na Universidade de Nairobi, o acontecimento mais esperado do sumo pontífice no Quénia.

A missa vai juntar dezenas de milhares de pessoas no interior e nos arredores da universidade.

Esta tarde, reunir-se-á com religiosos e seminaristas antes de discursar na sede do programa da ONU para o Ambiente e ONU-Habitat, uma intervenção muito esperada e que tem lugar alguns dias antes do início da conferência sobre alterações climáticas em Paris (COP21).

O papa chegou na tarde de quarta-feira à capital do Quénia, para a sua primeira visita ao continente africano, um périplo que também vai incluir o Uganda e a República Centro-Africana, país que enfrenta uma vaga de violência religiosa e sectária.

Francisco, que realiza a 11.ª visita internacional, é o quarto pontífice a viajar para o continente africano depois de Paulo VI, João Paulo II - que visitou 42 países africanos - e Bento XVI.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.