sicnot

Perfil

Mundo

Cerca de 16.000 crianças recrutadas à força desde janeiro no Sudão do Sul

Cerca de 16.000 crianças foram recrutadas à força este ano pelas diferentes partes em conflito no Sudão do Sul, revelou hoje o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

© Mohamed Nureldin Abdallah / R


"A situação das crianças continua a ser grave. Apesar da assinatura de um acordo de paz em agosto, há poucos sinais de melhorias", declarou um porta-voz do UNICEF, Christophe Boulierac, num encontro com a imprensa em Genebra.

"Graves violações dos direitos das crianças, como assassinatos, raptos e violência sexual, continuam a ocorrer em todo o país", lamentou.

Boulierac explicou que a situação das crianças no Sudão do Sul "piorou desde o início de 2015" com "um recrutamento e utilização constantes de crianças, essencialmente rapazes, mas também raparigas, pelas forças e grupos armados".

Desde janeiro, "cerca de 16.000 crianças foram recrutadas" e "continuam todos nas forças armadas e nos grupos", adiantou.

Embora vulgarmente se denominem aquelas crianças de "crianças soldados", elas não são utilizadas apenas como combatentes. Podem exercer funções de mensageiras, sendo enviadas para zonas perigosas, ou utilizadas com fins sexuais, o que é frequente no caso das raparigas.

O Sudão do Sul proclamou a sua independência em julho de 2011, antes de voltar à guerra em dezembro de 2013 devido a divergências políticas e étnicas, alimentadas pela rivalidade entre o presidente Salva Kiir e o seu antigo vice-presidente Riek Machar, líder dos rebeldes.

O conflito, marcado por atrocidades atribuíveis aos dois lados, causou dezenas de milhares de mortos e obrigou mais de 2,2 milhões a abandonarem as suas casas. Cerca de 1.500 crianças foram mortas, segundo a UNICEF.

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35

    País

    A data para as próximas eleições autárquicas já gerou consenso. 1 de outubro é a data pedida pelos vários partidos ouvidos esta segunda-feira por António Costa. Na próxima quinta-feira, no Conselho de Ministros, o dia de ir às urnas vai ser escolhido.