sicnot

Perfil

Mundo

Extradição de Polanski para EUA definitivamente recusada pela justiça polaca

A extradição do cineasta Roman Polanski para os Estados Unidos, onde foi acusado de abuso sexual de uma menor em 1977, na Califórnia, foi definitivamente recusada pela justiça polaca, anunciou hoje a Procuradoria de Cracóvia.

© Agencja Gazeta / Reuters

A Procuradoria anunciou igualmente que renunciou ao seu direito de recorrer da decisão do tribunal.

A análise das motivações da decisão dos juízes "permite reconhecer como justificada a decisão do Tribunal Regional de Cracóvia de recusar a extradição de Roman Polanski para as autoridades norte-americanas", de acordo com a Procuradoria.

Desta forma, a decisão coloca "um fim aos processos judiciais contra Polanski", indicou à agência de notícias francesa France Presse (AFP) Jerzy Stachowicz, um dos advogados do cineasta.

A 30 de outubro, a justiça polaca já tinha recusado a extradição para os Estados Unidos do cineasta franco-polaco Roman Polanski.

O tribunal regional de Cracóvia (sul) "concluiu pela irreversibilidade do pedido de extradição para os Estados Unidos do cidadão polaco e francês Roman Polanski", declarou o juiz Dariusz Mazur em declarações aos jornalistas.

Em janeiro, os Estados Unidos solicitaram à Polónia um pedido de extradição de Roman Polanski, que vive em França, após uma aparição pública em Varsóvia do realizador de "Repulsa", "Baile dos Vampiros", "O Inquilino", "Rosemary's Baby, ou "Tess".

De acordo com a imprensa polaca, o realizador, presente em Cracóvia, aguardava o veredito a bordo de um avião fretado, no aeroporto da cidade, e preparado para deixar a Polónia em caso de uma decisão desfavorável.

A lei polaca estipula que um tribunal tem poderes para deliberar sobre um pedido de extradição. Uma recusa, confirmada após um eventual apelo de uma das partes perante uma instância superior, encerra o caso em definitivo. E caso de aprovação, a decisão final pertence ao Ministério da Justiça.

Em 1977, na Califórnia, Roman Polanski, então com 43 anos, foi perseguido judicialmente por ter violado Samantha Geimer, na altura com 13 anos.

Após 42 dias de prisão, seguida da sua libertação sob caução, o cineasta que se reconheceu culpado de "relações sexuais ilegais" com uma menor abandonou os Estados Unidos antes do anúncio do veredito, por recear uma pesada condenação que poderia atingir os 50 anos.

A linha de defesa dos advogados polacos consistiu em demonstrar que o pedido de extradição não tinha fundamento devido ao anterior acordo entre o cineasta e a justiça norte-americana.

Na perspetiva dos advogados e nos termos deste acordo, aceite pelo procurador e os advogados da vítima, a pena prevista teria sido cumprida pelo seu cliente.

Lusa

  • Roman Polanski não será extraditado para os EUA após caso de abuso de menor
    0:34

    Cultura

    O realizador de cinema Roman Polanski mostrou-se esta sexta-feira muito feliz com a decisão da Justiça polaca de não o extraditar para os Estados Unidos. O tribunal de Cracóvia considerou que as autoridades norte-americanas violaram, de forma grave, as regras de um julgamento imparcial, no caso que resultou na condenação de Polanski por abuso sexual de uma menor, há quase 40 anos, na Califórnia. Na altura, depois de 42 dias detido, Polanski saiu sob caução e fugiu dos Estados Unidos. Agora, aos 82 anos, diz que o pesadelo finalmente acabou.

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Opinião

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Pj ainda não fez detenções relacionadas com atropelamento de adepto italiano
    1:52

    Desporto

    As autoridades policiais confirmaram à SIC que o atropelamento que fez este sábado uma vítima mortal, junto ao Estádio da Luz, não terá sido acidental. A Policia Judiciária já saberá quem foi o autor do atropelamento. O homem faria parte do grupo de adeptos do Benfica, que se envolveram em confrontos com adeptos do Sporting.