sicnot

Perfil

Mundo

MNE francês concebe possibilidade de forças do regime participarem na luta contra o Daesh

O ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Laurent Fabius, considerou hoje, pela primeira vez, a possibilidade de as forças do regime sírio se poderem associar à luta contra o grupo extremista autoproclamado Estado Islâmico.

© POOL New / Reuters

De modo a combater os radicais do Daesh, "há dois conjuntos de medidas: os bombardeamentos (...) e as forças no terreno, que não vão ser as nossas, mas que devem ser as forças do exército sírio livre [oposição], as forças árabes sunitas e, porque não, as forças do regime e, claros, os curdos também", declarou o chefe da diplomacia francesa à rádio RTL.

Mas o Presidente sírio, Bashar al-Assad, "não pode ser o futuro do seu povo", reiterou.

O objetivo militar "primeiro" permanece sobre Raqa, bastião do grupo 'jihadista' na Síria, alvo de intensos raides da aviação russa e francesa há vários dias, acrescentou Laurent Fabius.

"É para nós um dos primeiros objetivos militares, mesmo o principal, porque se trata do centro nevrálgico do Daesh [acrónimo árabe de EI], onde foram planeados os atentados contra a França", disse.

Após a visita, na quinta-feira, do Presidente francês, François Hollande, ao seu homólogo russo, Vladimir Putin, os dois países concordaram "coordenar" as suas ações contra o EI e reforçar a "troca de informações" para combate ao grupo extremista que reivindicou os atentados de 13 de novembro em Paris e o derrube, à bomba, de uma avião de passageiros russo sobre os Montes Sinai, no Egito, provocando a morte dos seus 224 ocupantes, a 31 de outubro passado.

  • Passos Coelho pede desculpa aos portugueses
    3:35
  • Pyongyang compara Trump a Hitler

    Mundo

    A Coreia do Norte compara o Presidente norte-americano Donald Trump a Adolf Hitler. Pyongyang já acostumou o mundo à sua linguagem "colorida" quando critica os seus inimigos. Mas comparações com o responsável por mais de 60 milhões de mortes são muito raras.

  • Glifosato na lista de produtos cancerígenos na Califórnia

    Mundo

    O estado norte-americano da Califórnia, nos Estados unidos, pode vir a obrigar o fabricante do popular herbicida Roundup a comercializar o produto com um rótulo que informe os consumidores de que o produto é cancerígeno. O glifosato, princípio ativo do herbicida Roundup fabricado pela Monsanto, consta de uma lista que vai ser divulgada na Califórnia, a 7 de julho, de produtos químicos potencialmente cancerígenos.