sicnot

Perfil

Mundo

Papa denuncia "periferias abandonadas" por minorias que "concentram poder e riqueza"

O papa Francisco condenou hoje em Kangemi, um bairro pobre de Nairobi, "a injustiça atroz" representada nas "periferias abandonadas" pelas minorias que "concentram poder e riqueza".

© Thomas Mukoya / Reuters

"Estas são feridas infligidas por minorias que se agarram ao poder e à riqueza, que esbanjam egoistamente enquanto uma crescente maioria é forçada a fugir para periferias abandonadas, sujas e marginalizadas", disse o pontífice, de 78 anos, perante uma multidão na favela de Kangemi, na capital queniana.

Francisco, cuja visita a este bairro pobre é um dos destaques do seu périplo por três nações africanas, iniciado esta semana, condenou assim a "atroz injustiça da exclusão urbana".

À passagem do papamóvel pelas ruas cheias de casas de telhados de zinco, onde seguia Francisco, ecoaram cânticos.

"Estou aqui porque quero que saibam que não fico indiferente às vossas alegrias e esperanças, aos vossos problemas e às vossas tristezas", sublinhou o papa numa igreja em Kangemi.

"Percebo as dificuldades que vivem diariamente. Como não poderia denunciar as injustiças que vocês sofrem?", questionou, criticando a falta de "infraestruturas e de serviços básicos", incluindo água potável, esgotos, eletricidade, estradas, escolas e hospitais.

"Negar água a uma família, sob qualquer pretexto burocrático, é uma grande injustiça, sobretudo quando se lucra com esta necessidade", criticou.

Estas realidades, segundo o papa Francisco, "não são uma combinação casual de problemas isolados", mas antes uma "consequência de novas formas de colonialismo" contra os países africanos que faz com que fiquem confinados a ser "peças de uma gigantesca engrenagem", disse, condenando as "pressões para que sejam adotadas políticas de marginalização, como a da redução da natalidade".

"Esta situação de indiferença e de hostilidade experienciada por bairros pobres agrava-se quando a violência se propaga e organizações criminosas, servindo interesses políticos ou económicos, usam crianças e jovens como 'carne para canhão' para os seus negócios sem escrúpulos", acrescentou, destacando o papel das mulheres neste contexto.

"Agradeço, também, as lutas dessas mulheres que lutam heroicamente para proteger os seus filhos e filhas desses perigos".

No Quénia, cerca de 60% da população vive em distritos como o de Kangemi, com menos de um dólar por dia. O maior, Kibera, alberga mais de um milhão de pessoas no centro da capital.

Lusa

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.