sicnot

Perfil

Mundo

Coreia do Norte considera "ato ofensivo" exercício militar de Seul junto à fronteira

A Coreia do Norte criticou o novo exercício militar iniciado hoje pelas Forças Armadas da Coreia do Sul perto da fronteira comum, e acusou Seul de sabotar o ambiente de diálogo entre os dois países.

Kim Jong-un, líder da Coreia do Norte.

Kim Jong-un, líder da Coreia do Norte.

© KCNA KCNA / Reuters


"Trata-se de um ato ofensivo que quer minar a melhoria das relações entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul", pode ler-se na página oficial de propaganda norte-coreana, Uriminzokkiri.

Num texto intitulado "É isto realmente necessário em pleno ambiente de diálogo?", Pyongyang critica as manobras iniciadas hoje pela 26.ª Divisão da Infantaria Mecanizada da Coreia do Sul em cinco localidades do noroeste do país, a poucos quilómetros da Zona Desmilitarizada (DMZ), que divide os dois países.

O exercício de treino, que se estende até sexta-feira e que nunca foi realizado anteriormente, conta com a participação de tropas, tanques e veículos blindados.

O Governo de Seul respondeu às críticas do país vizinho, instando-o a "não condenar a atividade militar na região do noroeste, já que gera tensões desnecessárias", segundo um porta-voz do Ministério da Unificação.

O exercício militar abriu um novo foco de conflito na península coreana, num momento especialmente delicado, já que Seul e Pyongyang convocaram uma reunião de alto nível para o próximo dia 11, com o objetivo de melhorar as suas relações.

  • Roger Moore, o ator que foi 007 e um Santo
    1:26

    Cultura

    Morreu Roger Moore. O ator britânico tinha 89 anos e morreu na Suíça, vítima de cancro. Ficou conhecido pelo mítico papel de James Bond entre os anos 70 e 80, tendo sido o ator que mais tempo se manteve no papel. Em 2003, foi condecorado pela rainha Isabel II e tornou-se Sir Roger Moore.

  • Ucrânia limita utilização do russo na televisão

    Mundo

    O Parlamento da Ucrânia aprovou esta terça-feira uma lei que determina que três quartos dos programas televisivos dos canais nacionais devem ser transmitidos em ucraniano, medida que visa limitar o uso da língua russa naquele país.