sicnot

Perfil

Mundo

Desertor russo detido após mais de 10 anos escondido em floresta

Um desertor do exército russo, que se escondeu durante mais de 10 anos numa floresta da península de Kamchatka, no extremo oriental da Rússia, foi detido pela polícia, anunciaram esta segunda-feira as autoridades locais.

De acordo com a lei russa, os soldados culpados de deserção arriscam até sete anos de prisão. (Arquivo)

De acordo com a lei russa, os soldados culpados de deserção arriscam até sete anos de prisão. (Arquivo)

© Maxim Shemetov / Reuters

O homem, de 30 anos, cuja identidade não foi divulgada, foi recrutado em 2003 e tinha já realizado o primeiro dos dois anos de serviço quando desertou, segundo a polícia.

"Ele viveu em Kamchatka, a maior parte do tempo escondido na floresta. Fez pequenos trabalhos e não tentou entrar em contacto com a família", declarou num comunicado a delegação regional do Ministério do Interior.

O desertor é originário de Taganrog, no sudoeste da Rússia. Segundo o comunicado, as tentativas de o encontrar foram suspensas depois de a sua família ter identificado o cadáver de um homem como sendo o seu alguns meses após o desaparecimento.

No bosque, o homem construiu uma pequena casa, com materiais de construção recuperados, na periferia de Petropavlovsk-Kamtchatski, a capital regional. Para sobreviver trabalhava em quintas ou recolhia sucata.

De acordo com a lei russa, os soldados culpados de deserção arriscam até sete anos de prisão, embora a presidente da organização Comité das Mães de Soldados Russos, Valentina Melnikova, duvide que aquele desertor seja condenado.

"Houve muitos casos de deserção no extremo oriental nos últimos tempos. Alguns esconderam-se durante anos em caves, mas eles fazem um exame psiquiátrico e são deixados em liberdade", disse à agência France Presse.

Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.