sicnot

Perfil

Mundo

Desertor russo detido após mais de 10 anos escondido em floresta

Um desertor do exército russo, que se escondeu durante mais de 10 anos numa floresta da península de Kamchatka, no extremo oriental da Rússia, foi detido pela polícia, anunciaram esta segunda-feira as autoridades locais.

De acordo com a lei russa, os soldados culpados de deserção arriscam até sete anos de prisão. (Arquivo)

De acordo com a lei russa, os soldados culpados de deserção arriscam até sete anos de prisão. (Arquivo)

© Maxim Shemetov / Reuters

O homem, de 30 anos, cuja identidade não foi divulgada, foi recrutado em 2003 e tinha já realizado o primeiro dos dois anos de serviço quando desertou, segundo a polícia.

"Ele viveu em Kamchatka, a maior parte do tempo escondido na floresta. Fez pequenos trabalhos e não tentou entrar em contacto com a família", declarou num comunicado a delegação regional do Ministério do Interior.

O desertor é originário de Taganrog, no sudoeste da Rússia. Segundo o comunicado, as tentativas de o encontrar foram suspensas depois de a sua família ter identificado o cadáver de um homem como sendo o seu alguns meses após o desaparecimento.

No bosque, o homem construiu uma pequena casa, com materiais de construção recuperados, na periferia de Petropavlovsk-Kamtchatski, a capital regional. Para sobreviver trabalhava em quintas ou recolhia sucata.

De acordo com a lei russa, os soldados culpados de deserção arriscam até sete anos de prisão, embora a presidente da organização Comité das Mães de Soldados Russos, Valentina Melnikova, duvide que aquele desertor seja condenado.

"Houve muitos casos de deserção no extremo oriental nos últimos tempos. Alguns esconderam-se durante anos em caves, mas eles fazem um exame psiquiátrico e são deixados em liberdade", disse à agência France Presse.

Lusa

  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.