sicnot

Perfil

Mundo

Edição do ADN promete curar doenças graves

Algumas das mais graves doenças atuais poderão ser melhor conhecidas e eventualmente até curadas, graças a uma nova tecnologia - a CRISPR, que está a agitar a comunidade científica.

Reuters

A CRISPR é uma espécie de ferramenta para "editar" o ADN, com uma precisão nunca antes atingida, além de eficiência e flexibilidade. Com ela, os cientistas conseguem alterar, apagar ou substituir genes em plantas ou animais, entre eles o Homem. A comunidade biomédica mundial está ainda na fase de tentar perceber como é que esta nova tecnologia poderá alterar a forma de investigar e tratar as doenças.

As implicações desta tecnologia podem ser gigantescas. A CRISPR pode um dia ser a cura para diversas doenças genéticas, mas a manipulação genética é um assunto delicado do ponto de vista ético.

"As pessoas falam dela como uma grande ferramenta, e é muito promissora, mas também assustadora", desabafa Chris Himeda, autor do estudo mais recente sobre a CRISPR.

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.