sicnot

Perfil

Mundo

Erdogan pondera demissão caso seja verdade que Turquia compra petróleo a terroristas

O Presidente turco prometeu esta segunda-feira demitir-se caso se confirme a acusação de que a Turquia abateu um avião da Rússia para proteger o envio para solo turco de petróleo do grupo extremista Daesh.

© Christian Hartmann / Reuters

A Rússia acusou a Turquia de ter abatido o seu avião na fronteira com a Síria para proteger o grupo extremista Estado Islâmico e exigiu um pedido de desculpas formal.

"É imoral acusar a Turquia de comprar petróleo ao Daesh (acrónimo em áreabe para o Estado Islâmico). Se há documentos, deveriam mostrá-los, que os vejamos. Se os mostrarem, não continuarem no cargo", disse Recep Tayyip Erdogan, questionando Vladimir Putin sobre se se demitirá caso esteja a mentir.

Falando em Paris, em conferência de imprensa, o Presidente turco salientou que os países a quem a Turquia compra petróleo "são conhecidos".

"Um que compra petróleo ao Daesh é um cidadão russo e sírio, George Haswani, como denunciou o Ministério das Finanças norte-americano", recordou Erdogan.

"Até hoje trabalhamos por vias legais. Não somos tão indignos para comprar algo a uma organização terrorista", rematou o chefe de Estado turco, que se encontra em Paris a participar na Cimeira da ONU sobre o Clima.

O Presidente russo, Vladimir Putin, acusou hoje o Governo de Ancara de abater um avião militar russo na passada semana para proteger o fornecimento de petróleo pelo grupo extremista Estado Islâmico à Turquia, niticiou a agência France Presse (AFP).

"Temos todas as razões para acreditar que a decisão de abater o nosso avião foi ditada pelo desejo de proteger a rede de abastecimento de petróleo para o território turco, em direção aos portos onde é carregado para os petroleiros", disse Putin durante uma conferência de imprensa à margem da conferência do clima das Nações Unidas que decorre nos arredores de Paris.

O Presidente russo afirmou ter "informações adicionais que, infelizmente, confirmam que o petróleo, produzido em áreas controladas pelo Estado Islâmico e outras organizações terroristas, é transportado numa escala industrial para a Turquia".

Na sequência do incidente que abateu um avião militar russo junto à fronteira da Síria com a Turquia, Putin acusou os turcos de serem "cúmplices de terroristas".

Os lucros da venda de petróleo são uma das principais fontes de financiamento do Estado Islâmico, que controla vastas zonas do Iraque e da Síria.

O Presidente russo disse ainda que vários dos seus homólogos, com os quais conversou durante a conferência climática, manifestaram a sua concordância com a ideia de que "não era necessário" que a Turquia tivesse abatido o avião russo.

O chefe de Estado da Rússia afirmou que o plano para formar uma coligação internacional para combater o Estado Islâmico -- criado na sequência da queda de um avião comercial russo atingido por uma bomba e dos ataques terroristas de Paris reivindicados por aquele grupo extremista (EI) -- foi seriamente ameaçado pela ação turca.

A constituição de uma coligação teve poucos progressos, sobretudo porque as grandes potências internacionais não estão de acordo sobre qual deve ser o papel dado ao Presidente sírio, Bashar al-Assad.

"Iremos sempre apoiar [a ideia de uma grande coligação], mas não chegaremos lá enquanto algumas pessoas usarem grupos terroristas para servir interesses políticos de curto-prazo", afirmou Putin.

Lusa

  • Autoridades garantem que controlam maior refinaria de petróleo do Iraque
    1:47

    Mundo

    O exército do Iraque garante que já controla a maior refinaria do país. Só o apoio aéreo permite manter a alegada superioridade bélica. Em Beiji, as tropas iraquianas garantem que controlam a maior refinaria do país, e que conseguiram já expulsar os combatentes jihadistas. O Governo central garante que matou apenas terroristas. A contra-ofensiva terá provocado dezenas de vítimas, segundo as autoridades locais. O anúncio coincide com o segundo dia da visita de John Kerry.

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • Equipa especial de três magistradas investiga crimes ligados ao futebol
    0:46

    Desporto

    A procuradora-Geral da República criou uma equipa com três magistradas para investigar os inquéritos relativos a crimes ligados ao futebol, que começou a trabalhar no início deste mês, no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP). Na edição do Tempo Extra desta quinta-feira, Rui Santos disse que a equipa promete reultados a curto prazo.

  • Mulher de português raptado em Moçambique faz apelo ao Governo
    0:24

    País

    Salomé Sebastião, a mulher do empresário português raptado em julho de 2016, em Moçambique, foi esta quarta-feira ouvida na Comissão Parlamentar de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas, no âmbito da petição entregue na Assembleia da República. A petição, subscrita por mais de quatro mil pessoas, pede aos deputados portugueses que pressionem as autoridades moçambicanas a investigar o paradeiro do português Américo Sebastião.

  • Sismo de magnitude 5,5 no sul do Irão

    Mundo

    Um sismo de magnitude 5,5 atingiu esta quinta-feira o sul do Irão, perto de uma unidade nuclear, abalando o Bahrein e outras áreas ao redor do Golfo Pérsico, segundo o Serviço Geológico dos EUA.

  • Princesa do Dubai que estava em fuga foi levada de volta a casa

    Mundo

    Latifa Mohamed al Maktoum, uma das filhas do emir do Dubai e primeiro-ministro dos Emirados Árabes Unidos, estava em fuga desde março. Latifa tinha partilhado um vídeo onde revelava que ia fugir e explicava os motivos. Fonte próxima do Governo do Dubai garantiu que a princesa foi levada de volta a casa.

    SIC

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.