sicnot

Perfil

Mundo

Estudo diz que borboletas e vespas são importantes polinizadores

Muitos insetos, como borboletas e vespas, são importantes polinizadores, frequentemente ignorados e que podem ser uma alternativa ao declínio das abelhas, refere um estudo hoje divulgado.

Reuters

Reuters

Reuters

As culturas de manga, quivi ou de café não dependem das abelhas, mas do voo das borboletas, besouros, vespas e das formigas para a polinização, determina o estudo da Academia Americana de Ciências.

"Os cientistas ainda não exploraram suficientemente o papel de outros insetos que não o das abelhas na polinização", disse Margie Mayfield, da Universidade de Queensland, na Austrália, uma das coautoras do estudo.

Esta dependência da polinização das culturas apenas pelas abelhas é uma estratégia arriscada, afirmou a pesquisadora, referindo-se ao misterioso fenómeno de desaparecimento em massa das abelhas.

"Outros insetos que polinizam as colheitas são, portanto, um seguro contra o declínio das populações de abelhas observado em todo o mundo", considerou, aconselhando mudanças nas práticas agrícolas, incluindo o fim do uso de certos pesticidas.

O estudo concluiu que os outros insetos polinizadores fazem entre 25 e 50% do número total de visitas às flores.

A polinização por abelhas representa mais de 15 mil milhões de dólares anuais nas culturas agrícolas nos Estados Unidos, incluindo frutas e vegetais.

Segundo uma estimativa recente do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, 42% das colmeias desapareceram entre 2014-2015.

Lusa

  • Cinco anos depois do incêndio na Serra do Caldeirão
    5:24
  • Destaques económicos que marcaram a semana
    2:03

    Economia

    A semana ficou marcada pela tragédia provocada pelos incêndios no centro do país. No entanto importa olhar para o que se passou noutras áreas e fazer um resumo das notícias relacionadas com a economia. 

  • Quer conhecer os cães mais feios do mundo?
    1:15

    Mundo

    Na Califórnia, nos Estados Unidos, já foi eleito o cão mais feio do mundo de 2017, num concurso que se repete há 29 anos. Com 57 quilos, Martha recebeu a distinção enquanto ressonava no palco.