sicnot

Perfil

Mundo

Hillary Clinton diz que luta dos negros por igualdade está longe de terminar

​Sessenta anos depois de Rosa Parks se ter recusado a ceder o lugar a um passageiro branco num autocarro, Hillary Clinton denunciou o racismo persistente da sociedade americana, prometendo continuar na Casa Branca a luta contra a desigualdade.

Rodeada pelo advogado de Rosa Parks, Fred Gray (na imagem), e por uma filha de Martin Luther King Jr., Bernice King, Hillary Clinton sublinhou que, apesar das grandes leis de direitos civis da década de 60, os negros americanos continuam a ser tratados de forma desigual pela justiça, pelos agentes policiais e por certas leis.

Rodeada pelo advogado de Rosa Parks, Fred Gray (na imagem), e por uma filha de Martin Luther King Jr., Bernice King, Hillary Clinton sublinhou que, apesar das grandes leis de direitos civis da década de 60, os negros americanos continuam a ser tratados de forma desigual pela justiça, pelos agentes policiais e por certas leis.

© Marvin Gentry / Reuters

"Para muitos americanos, especialmente os afro-americanos, o sistema penal não é o que deveria ser", disse a candidata presidencial democrata, num discurso na igreja batista Dexter Avenue Baptist Church King Memorial, em Montgomery, no Estado do Alabama (sul), onde o boicote dos autocarros começou após o ato de Rosa Parks, a 1 de dezembro de 1955.

Rodeada pelo advogado de Rosa Parks, Fred Gray, e por uma filha de Martin Luther King Jr., Bernice King, Hillary Clinton sublinhou que, apesar das grandes leis de direitos civis da década de 60, os negros americanos continuam a ser tratados de forma desigual pela justiça, pelos agentes policiais e por certas leis, especialmente no velho sul segregacionista.

"Há algo de profundamente injusto quando os homens negros são mais propensos a ser detidos e revistados pela polícia, a ser acusados de um crime e condenados a penas de prisão mais longas do que os homens brancos", acrescentou a candidata, lamentando que um terço dos homens negros nos Estados Unidos corra o risco de ser preso algures durante o seu tempo de vida.

Segundo Hillary, milhão e meio de homens negros faltam às suas famílias, ou porque morreram prematuramente ou porque estão presos.

"É hora de mudar a nossa abordagem e acabar com a era do encarceramento em massa nos Estados Unidos", acrescentou Hillary Clinton, cujo marido, Bill Clinton, promulgou, nos anos 1990, um endurecimento histórico da política penal norte-americana.

A candidata democrata, que se reuniu nos últimos meses com elementos do movimento de protesto "Black Lives Matter" (traduzível como "As Vidas dos Negros Importam"), falava a convite da National Association Bar, associação nacional dos advogados.

Para Hillary Clinton, a luta contra o racismo é uma responsabilidade de toda a sociedade norte-americana.

Lusa

  • "Django Libertado" gera polémica nos Estados Unidos
    2:12

    Cultura

    O filme "Django Libertado", que estreou ontem em Portugal, está no centro de uma polémica nos Estados Unidos. O filme tem gerados vários protestos de associações norte-americanas de defesa dos direitos dos negros que consideram o filme ofensivo. Os bonecos das personagens do filme foram retirados do mercado pela produtora do filme de Quentin Tarantino depois de muitas pressões . A partir daí os bonecos têm vindo a valorizar-se por existirem poucos exemplares.

  • Portugueses e espanhóis protestam em Salamanca contra mina de urânio
    0:38

    País

    O Bloco de esquerda desafia o Governo português a exigir às autoridades espanholas uma avaliação do impacto ambiental da mina de urânio a 40 quilómetros da fronteira portuguesa. Este caso está gerar contestação entre os ambientalistas. Várias associações portuguesas participaram este sábado numa manifestação em Salamanca. A Quercus diz-se preocupada com o impacto da mina de urânio no território português.

  • Assalto a Tancos e roubo de armas da PSP podem estar relacionados
    1:24

    País

    O assalto a Tancos e o roubo de três armas da PSP, recuperadas na semana passada, podem estar relacionados. O semanário Expresso avança hoje que há suspeitos de terem participado nos dois assaltos e o grupo, ou parte dele, atua principalmente do Algarve, com possíveis ligações a outras organizações espalhadas pelo país ou até transacionais.

  • As gravações que provam que as autoridades conheciam o perfil violento de Nikolas Cruz
    1:35