sicnot

Perfil

Mundo

Milhares na rua em Londres contra ataques ao Daesh

Milhares de pessoas manifestaram-se esta terça-feira em Londres contra a proposta do primeiro-ministro britânico de lançar ataques na Síria contra o grupo extremista Daesh, na véspera de uma votação no parlamento sobre o tema.

Os manifestantes desfilaram ao final da tarde perto do Parlamento, em Westminster, no centro da capital britânica, seguindo para as sedes dos partidos dos conservadores e dos trabalhistas.

Os manifestantes desfilaram ao final da tarde perto do Parlamento, em Westminster, no centro da capital britânica, seguindo para as sedes dos partidos dos conservadores e dos trabalhistas.

© Neil Hall / Reuters

Os manifestantes desfilaram ao final da tarde perto do Parlamento, em Westminster, no centro da capital britânica, seguindo para as sedes dos partidos dos conservadores e dos trabalhistas, constatou a agência noticiosa AFP no local.

"Não aos bombardeamentos na Síria" e "David Cameron, tem vergonha!", gritavam os manifestantes, que empunhavam cartazes onde se lia "Parem a guerra".

"Quando bombardeamos os habitantes de um país, nós já não estamos em segurança, nós perdemos segurança", declarou Salma Yaqoob, responsável da organização pacifista 'Stop the War' (Parem a Guerra).

Uma das manifestantes, Jenny Eyles, citada pela AFP, disse que "a única maneira de travar o grupo Estado Islâmico é cortar-lhe o financiamento e impedir que tenha acesso a armas".

No sábado passado, cerca de cinco mil pessoas tinham-se manifestado em Londres contra a proposta de David Cameron.

Ainda que as forças britânicas já levem a cabo raides aéreos no Iraque contra o Estado Islâmico, o parlamento debate na quarta-feira uma extensão das operações para território sírio.

David Cameron decidiu levar a proposta a votação depois de garantir uma maioria favorável a essa intervenção.

Lusa

  • Cameron aguarda luz verde do Parlamento para atacar Daesh
    0:52

    Daesh

    O primeiro-ministro britânico disse esta segunda-feira que é tempo do Reino Unido apoiar a coligação no combate ao Daesh. David Cameron espera obter do Parlamento, esta semana, luz verde para avançar com ataques na Síria. A votação foi pedida para quarta-feira e o chefe de governo mostra-se confiante e seguro de que é do interesse nacional dos britâncos participar nas operações.

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.