sicnot

Perfil

Mundo

Morreu o espião da União Soviética mais bem sucedido em Israel

O homem que foi considerado o espião da União Soviética mais bem-sucedido em Israel, antes de ser desmascarado há mais de 30 anos, morreu em Paris, com 97 anos, informou esta terça-feira a sua filha.

Israel sentenciou Marcus Klingberg a 20 anos de prisão em 1983, por ter passado informação a Moscovo sobre a sua pesquisa de armas biológicas. (Arquivo)

Israel sentenciou Marcus Klingberg a 20 anos de prisão em 1983, por ter passado informação a Moscovo sobre a sua pesquisa de armas biológicas. (Arquivo)

© STR New / Reuters

Israel sentenciou Marcus Klingberg a 20 anos de prisão em 1983, por ter passado informação a Moscovo sobre a sua pesquisa de armas biológicas.

Klingberg foi o vice-diretor do Instituto de Investigação Biológica israelita e conseguiu evitar ser detetado durante anos, até que finalmente foi apanhado, com a ajuda de um agente duplo.

O seu caso foi tão sensível que a sua detenção, julgamento e detenção foram mantidos em segredo durante mais de uma década.

Enquanto estava detido sob um nome falso e em regime de solitária, as questões levantadas pelo seu desaparecimento eram respondidas com a informação de que estava internado num hospital psiquiátrico, "algures na Europa".

A filha, Sylvia Klingberg, disse à agência noticiosa AFP que o pai "foi um comunista que agiu com convicção e gratidão para com o Exército Vermelho, por o ter autorizado a combater os nazis, que massacraram toda a sua família na Polónia".

Marcus Klingberg manteve sempre a justificação de que a sua motivação para espiar era ideológica e não financeira.

Nascido em Varsóvia, numa família judaica ultraortodoxa, Klingberg saiu da Polónia durante a invasão nazi, em 1939, e foi para a União Soviética, onde estudou medicina.

Em 1941, depois de as tropas alemãs terem invadido a União Soviética, alistou-se no Exército.

Quando regressou à Polónia, descobriu que os seus pais e irmão morreram num campo de concentração. Emigrou para a Suécia e depois para Israel, pouco depois da criação do Estado israelita em 1948.

Foi incorporado nos serviços de saúde do Exército israelita, onde atingiu o posto de tenente-coronel e se especializou em epidemiologia, integrando o instituto biológico 'top-secret', localizado em Nes Ziona, a sul de Telavive, em 1957.

As suspeitas israelitas começaram a ficar focadas em si em 1963, apesar de haver sugestões de que a sua espionagem começou muito antes, mas só foi detido 20 anos depois, em 1983, com a intervenção de um agente duplo, com o nome de código Samaritano.

O serviço de informações interno israelita Shin Bet, promoveu-lhe uma viagem ao estrangeiro, mas em vez de ir para o aeroporto, Klingberg foi levado para um apartamento isolado, onde foi interrogado durante dias, até que assinou uma confissão.

Sentenciado a 20 anos, foi colocado em prisão domiciliária depois de ter cumprido 15. Em 2003 foi autorizado a viver com a filha em Paris, onde morreu na segunda-feira, como foi hoje divulgado.

Nas suas memórias publicadas este ano e intituladas "The Last Spy" ("O Último Espião"), Klingberg disse: "O que mais me perturba foi a vergonha e o arrependimento. Não por ter espiado para a União Soviética, não. A minha sensação de humilhação vem do facto de eles me terem quebrado".

  • Tudo a postos para a cerimónia dos Óscares
    0:59

    Óscares 2017

    Esta noite saberemos quais são os melhores filmes e os melhores atores de 2016. A cerimónia de entrega dos Óscares começa à uma da manhã, hora portuguesa. No Dolby Theatre está praticamente tudo a postos.

    Hoje às 23:00 na SIC e SIC Caras

  • "Fiz coisas de que me envergonho"
    2:31