sicnot

Perfil

Mundo

Constitucional anula resolução independentista na Catalunha

O Tribunal Constitucional espanhol anulou hoje, numa votação por unanimidade, a resolução do Parlamento regional da Catalunha que dava início ao processo de independência da região, aprovada a 09 de novembro último.

Manu Fernandez / AP

A decisão dos 11 juízes do TC espanhol - uma das mais rápidas da sua história - deixa sem efeito o documento aprovado pelos deputados regionais do Junts pel Sí (coligação do presidente catalão Artur Mas) e da CUP (esquerda radical), que previa o início de um processo político rumo à independência da Catalunha e apelava à desobediência face a futuras decisões do próprio tribunal constitucional neste processo, considerando-o "ilegítimo".

De acordo com o texto destes dois partidos, o Governo regional da Catalunha (Generalitat) apenas deveria cumprir decisões emanadas do próprio parlamento regional.

Dois dias depois de ter sido aprovada por maioria no parlamento catalão, o Governo central espanhol recorreu para o Tribunal Constitucional, que acaba por tomar uma decisão ainda antes do arranque oficial da campanha eleitoral para as eleições gerais de 20 de dezembro, nas quais a questão da Catalunha será um dos temas centrais.

Na prática, ao admitir o recurso do Governo a 11 de novembro, a resolução independentista já tinha ficado sem efeito. No entanto, essa medida era temporária, já que o TC teria cinco meses para tomar uma decisão definitiva. A proximidade das eleições terá sido um dos motivos para a decisão, que a imprensa espanhola já apelida de "relâmpago".

Quando admitiu o recurso do Governo, o Tribunal Constitucional espanhol alertou os responsáveis políticos catalães (alguns elementos do governo regional e presidente da Mesa da Assembleia Regional) para as consequências de uma eventual desobediência às suas decisões. Caso não cumpram, incorrem em responsabilidades penais.

Nas alegações perante o Tribunal Constitucional, a presidente da Mesa da Assembleia Regional da Catalunha, Carme Forcadell, desvalorizou o próprio texto da resolução independentista, afirmando que este "apenas" transmitia "uma vontade, uma aspiração ou desejo" de independência.

O texto incluía vários pontos, entre quais um que previa iniciar "no prazo máximo de 30 dias a tramitação de leis de processo constituinte, de segurança social e de finanças" próprias da Catalunha.

A resolução foi aprovada com 72 votos a favor (Junts pel Sí e CUP) e contra de todos os outros partidos (Ciudadanos, PP, os socialistas catalães do PSC e o Catalunya Si que Es Pot - que integra o Podemos).

Lusa

  • Traço contínuo às curvas
    2:42
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • Cristas calcula défice de 3,7% sem "cortes cegos" das cativações
    0:45

    Economia

    Assunção Cristas diz que o défice de 2,1% só foi conseguido porque o Governo fez cortes cegos na despesa pública. Esta manhã, depois de visitar uma unidade de cuidados continuados em Sintra, a presidente do CDS-PP afirmou que, pelas contas do partido, sem cativações, o défice estaria nos 3,7%.

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.