sicnot

Perfil

Mundo

Irão sublinha que relatório da ONU confirma fim pacífico de programa nuclear

O Irão afirmou esta quarta-feira que o relatório da Agência Internacional da Energia Atómica (OIEA) sobre o seu programa nuclear vai permitir encerrar a investigação sobre as possíveis dimensões militares, porque nunca se desviou de fins pacíficos.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Heinz-Peter Bader / Reuters

"O relatório sublinha a natureza pacífica do programa nuclear iraniano e abre caminho para encerrar o dossier sobre as possíveis dimensões nucleares" na Junta de Governadores da OIEA, disse o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros, Abbas Araqchi.

Segundo o vice-ministro, a Junta de Governadores deve agora encerrar o caso e permitir que avance o Plano Integral de Ação Conjunta, o acordo nuclear alcançado entre o Irão e os Estados Unidos, França, China, Rússia, Reino Unido e Alemanha.

No relatório, a agência especializada da ONU disse não ter indicações credíveis de atividades relevantes no Irão para o desenvolvimento de um arma nuclear desde o ano de 2009, mas que as atividades desenvolvidas "não avançaram mais além do que estudos científicos e de viabilidade e de aquisição de certas competências e capacidades técnicas relevantes".

O vice-ministro insistiu que aquelas "pequenas atividades" foram estudos "com tecnologia de duplo uso" e que o Irão as realizou com "fins pacíficos".

Na sequência do relatório da OIEA, os Estados Unidos afirmaram estarem prontos para dar o próximo passo na implementação do acordo nuclear.

O porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Mark Toner, disse que a agência da ONU confirmou a alegação de Washington de que Teerão tinha tentado fazer uma bomba nuclear, mas sublinhou que o Irão cooperou de forma adequada com os investigadores.

"O relatório é consistente. A OIEA confirmou que o Irão cumpriu os seus compromissos para dar respostas aos pedidos no âmbito do roteiro para o esclarecimento de questões passadas e presentes", disse, acrescentando que agora é preciso concentrarem-se na implementação do acordo nuclear.

Já Israel, pediu para que a investigação da agência especializada da ONU seja aprofundada e intensificada e que a comunidade internacional utilize todos os meios ao seu alcance para impedir o Irão de construir secretamente uma arma nuclear.

Lusa

  • Crianças trocadas à nascença não querem mudar de pais

    Mundo

    Tem todos os ingredientes de um argumento de filme, mas aconteceu de facto na Índia. Dois bebés foram trocados à nascença na maternidade, os resultados de ADN confirmaram-no quase três anos depois, mas as crianças, atualmente com 2 anos e 10 meses, não querem mudar de família.

    SIC

  • Agressões e rascismo em escola de Portimão
    3:06

    País

    Queixas de agressões, insultos, discriminação e racismo numa escola básica de Portimão estão a ser alvo de um processo de averiguações, por parte da autarquia e da direção do agrupamento escolar. As denúncias partem de um grupo de pais e foram tornadas públicas pela organização SOS Racismo.  A principal visada é uma funcionária da cantina, mas também uma professora.

  • Os (maus) hábitos do português ao volante
    1:31