sicnot

Perfil

Mundo

Irão sublinha que relatório da ONU confirma fim pacífico de programa nuclear

O Irão afirmou esta quarta-feira que o relatório da Agência Internacional da Energia Atómica (OIEA) sobre o seu programa nuclear vai permitir encerrar a investigação sobre as possíveis dimensões militares, porque nunca se desviou de fins pacíficos.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Heinz-Peter Bader / Reuters

"O relatório sublinha a natureza pacífica do programa nuclear iraniano e abre caminho para encerrar o dossier sobre as possíveis dimensões nucleares" na Junta de Governadores da OIEA, disse o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros, Abbas Araqchi.

Segundo o vice-ministro, a Junta de Governadores deve agora encerrar o caso e permitir que avance o Plano Integral de Ação Conjunta, o acordo nuclear alcançado entre o Irão e os Estados Unidos, França, China, Rússia, Reino Unido e Alemanha.

No relatório, a agência especializada da ONU disse não ter indicações credíveis de atividades relevantes no Irão para o desenvolvimento de um arma nuclear desde o ano de 2009, mas que as atividades desenvolvidas "não avançaram mais além do que estudos científicos e de viabilidade e de aquisição de certas competências e capacidades técnicas relevantes".

O vice-ministro insistiu que aquelas "pequenas atividades" foram estudos "com tecnologia de duplo uso" e que o Irão as realizou com "fins pacíficos".

Na sequência do relatório da OIEA, os Estados Unidos afirmaram estarem prontos para dar o próximo passo na implementação do acordo nuclear.

O porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Mark Toner, disse que a agência da ONU confirmou a alegação de Washington de que Teerão tinha tentado fazer uma bomba nuclear, mas sublinhou que o Irão cooperou de forma adequada com os investigadores.

"O relatório é consistente. A OIEA confirmou que o Irão cumpriu os seus compromissos para dar respostas aos pedidos no âmbito do roteiro para o esclarecimento de questões passadas e presentes", disse, acrescentando que agora é preciso concentrarem-se na implementação do acordo nuclear.

Já Israel, pediu para que a investigação da agência especializada da ONU seja aprofundada e intensificada e que a comunidade internacional utilize todos os meios ao seu alcance para impedir o Irão de construir secretamente uma arma nuclear.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • "Nobel é um incentivo para toda uma nação"
    1:19