sicnot

Perfil

Mundo

Mulher multada em mil euros por recusar dar impressões digitais à polícia de Paris

Um tribunal de Paris multou, na terça-feira, uma mulher em mil euros por não deixar que lhe tirassem as impressões digitais após um protesto em que manifestantes e forças de segurança entraram em confrontos.

Reuters

A polícia antimotim lançou gás lacrimogéneo sobre os ativistas e deteve mais de 300 pessoas depois de um grupo de manifestantes atingir os agentes com garrafas e velas retiradas de tributos às vítimas dos ataques de Paris.

A mulher de 25 anos foi multada em mil euros por se recusar a deixar que a polícia lhe tirasse as impressões digitais.

O seu advogado considerou que os procedimentos legais "aproximaram-se do ridículo", indicando que, das centenas de pessoas detidas nos protestos, apenas duas foram presentes a tribunal.

Num segundo caso, um jovem de 28 anos foi condenado a três meses de prisão por atirar uma garrafa de vidro a um agente, ferindo-o no lábio, durante os confrontos na Place de la Republique.

O jovem, que tinha bebido, admitiu ter atirado uma lata de metal mas disse que não tinha um alvo em particular.

O advogado argumentou que o seu cliente não tinha qualquer intenção de se envolver em confrontos, até porque estava vestido com roupas coloridas e uma mochila, ao contrário dos manifestantes mais violentos, vestidos de negro e com capuz.

Os dois foram considerados culpados de ignorarem as ordens da polícia para dispersarem, apesar de ambos terem dito que não ouviram essa indicação.

A polícia francesa proibiu as manifestações na avenida dos Champs Elysees e perto do local da cimeira do clima, em Le Bourget, no norte da capital.

Depois dos ataques do passado dia 13 de novembro em Paris, o Governo francês declarou estado de emergência, com o parlamento a autorizar medidas extraordinárias de segurança durante três meses.

  • As primeiras decisões do Presidente Trump
    1:39
  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O diretor de informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Celebridades protestam contra Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.