sicnot

Perfil

Mundo

Organizações pela libertação dos 17 ativistas não acreditam na justiça angolana

Diversas organizações de defesa dos direitos cívicos e humanos presentes numa concentração hoje, em Lisboa, pela libertação dos 17 ativistas angolanos, expressaram à agência Lusa o seu ceticismo face ao julgamento em curso em Angola.

(EPA/ Arquivo)

"Este julgamento não me deixa dormir descansado à espera do resultado", pois "a 'confiança' não é a primeira palavra que me ocorre" perante a forma como está a ser conduzido o processo, explicou o músico luso-angolano Pedro Coquenão à Lusa, no Rossio, onde cerca de 70 pessoas se concentraram em resposta a um apelo do grupo de cidadãos LAPA (Liberdade aos Ativistas Presos em Angola).

Como forma de chamar a atenção para um julgamento que consideram uma farsa, os organizadores da concentração exibiram o vídeo "JES [José Eduardo dos Santos] - Momento de Fra(n)queza", uma montagem disponível no YouTube (https://www.youtube.com/watch?v=JxtUL64DlMA), e exibiram um cartaz onde se lia "Liberdade Presos Políticos" e uma faixa com a inscrição: "Democracia de Verdade Já!".

Para o músico, a forma como o caso evolui "não abona a favor da competência, da retidão e da imparcialidade" do sistema judicial angolano, pois "a avaliação da situação foi feita antes", aguardando-se apenas "que seja comunicada a decisão que já terá sido tomada".

"O sistema de justiça em Angola está muito aquém do desejável" e, "quando os advogados de defesa vão para julgamento sem ter tido acesso a todo o processo, há más intenções", declarou, por seu lado, Timóteo Macedo, da Solidariedade Imigrante, para quem o julgamento "está a ser manipulado pelo sistema político" angolano.

Segundo o presidente da associação, em Angola "não há liberdade de expressão, não há liberdade de reunião, e as pessoas são presas por dá cá aquela palha".

"Estas pessoas [os ativistas detidos] têm de ser libertadas de imediato", sublinhou Timóteo Macedo, ele próprio um ex-preso político de Angola, onde esteve preso por 18 meses nos anos de 1978 e 1979.

Na opinião de João Paulo Batalha, da associação Transparência e Integridade, o julgamento dos 17 ativistas "é mais um passo numa sucessão de aumento da repressão e limitação da liberdade de expressão, da liberdade de protesto, da liberdade de organização".

O processo "é uma tentativa do regime de suprimir o descontentamento e a liberdade de expressão do povo angolano, para conseguir que continue viva a cultura de impunidade que tem governado aquele país desde há décadas e que, finalmente, está a ser questionada, não só por organizações internacionais como pela própria população angolana, que é o que tanto assusta o regime", afirmou ainda.

"No plano judicial, este é um processo que está a ser politicamente patrocinado e em que todo o sistema judicial está ao serviço do objetivo político e isso, obviamente, não nos faz prever um desfecho animador ou positivo", declarou o responsável da Transparência e Integridade, para quem "não têm sido garantidos aos réus direitos elementares de defesa".

Todavia, "aquilo que foi libertado da vontade de expressão, da vontade de organização e da vontade de mudança da sociedade angolana já não pode ser reprimido, já não pode ser suprimido, por muito que o regime tente, e a esperança que temos é de que, com organizações internacionais no terreno e a sociedade civil de vários países mobilizada, consigamos a mudança a que o regime resiste", concluiu.

Presente na ação, a Amnistia Internacional aproveitou para recolher assinaturas para uma petição que tem em curso, com vista à libertação dos 17 ativistas angolanos, 15 dos quais detidos desde junho, e que conta já com mais de 40.000 subscritores.

Lusa

  • Incêndio em Lisboa faz um ferido
    4:13

    País

    Um incêndio de grandes dimensões deflagrou esta segunda-feira numa loja, na Avenida de Berlim, em Lisboa. O repórter André Palma esteve no local, onde ouviu o comandante dos Sapadores Bombeiros de Lisboa. Pedro Patricio confirmou que foi assistida uma pessoa por inalação de fumos e, por questões de segurança, os veículos estacionados perto do local foram retirados, assim como foi pedido às pessoas dos prédios à volta que saíssem por causa do fumo. O incêndio foi dominado.

  • "Rui Rio avisou que vinha para partir loiça dentro do PSD"
    3:00
  • Hugo Soares não deverá continuar como líder parlamentar do PSD
    3:17

    País

    Rui Rio não deverá manter Hugo Soares na liderança parlamentar do PSD. Fonte próxima do novo presidente social-democrata diz à SIC que dificilmente o líder da bancada poderá continuar no cargo. Aumenta a pressão para que Hugo Soares ponha o lugar à disposição e já começam a surgir nomes para o substituir.

  • Suspeita de militantes fantasma no PSD
    4:22

    País

    Perante a suspeita de militantes fantasma e de caciquismo, Salvador Malheiro, diretor de campanha de Rui Rio, diz que o ato eleitoral foi devidamente fiscalizado. Uma investigação do jornal Expresso encontrou oito filiados numa morada que não existe e 17 militantes com morada numa casa onde vivem nove pessoas e nenhuma é do PSD. A associação cívica Transparência e Integridade fala num vazio legal e em falta de regulamentação.

  • Cristiano Ronaldo está insatisfeito com o salário e pode sair do Real Madrid
    2:38