sicnot

Perfil

Mundo

Organizações pela libertação dos 17 ativistas não acreditam na justiça angolana

Diversas organizações de defesa dos direitos cívicos e humanos presentes numa concentração hoje, em Lisboa, pela libertação dos 17 ativistas angolanos, expressaram à agência Lusa o seu ceticismo face ao julgamento em curso em Angola.

(EPA/ Arquivo)

"Este julgamento não me deixa dormir descansado à espera do resultado", pois "a 'confiança' não é a primeira palavra que me ocorre" perante a forma como está a ser conduzido o processo, explicou o músico luso-angolano Pedro Coquenão à Lusa, no Rossio, onde cerca de 70 pessoas se concentraram em resposta a um apelo do grupo de cidadãos LAPA (Liberdade aos Ativistas Presos em Angola).

Como forma de chamar a atenção para um julgamento que consideram uma farsa, os organizadores da concentração exibiram o vídeo "JES [José Eduardo dos Santos] - Momento de Fra(n)queza", uma montagem disponível no YouTube (https://www.youtube.com/watch?v=JxtUL64DlMA), e exibiram um cartaz onde se lia "Liberdade Presos Políticos" e uma faixa com a inscrição: "Democracia de Verdade Já!".

Para o músico, a forma como o caso evolui "não abona a favor da competência, da retidão e da imparcialidade" do sistema judicial angolano, pois "a avaliação da situação foi feita antes", aguardando-se apenas "que seja comunicada a decisão que já terá sido tomada".

"O sistema de justiça em Angola está muito aquém do desejável" e, "quando os advogados de defesa vão para julgamento sem ter tido acesso a todo o processo, há más intenções", declarou, por seu lado, Timóteo Macedo, da Solidariedade Imigrante, para quem o julgamento "está a ser manipulado pelo sistema político" angolano.

Segundo o presidente da associação, em Angola "não há liberdade de expressão, não há liberdade de reunião, e as pessoas são presas por dá cá aquela palha".

"Estas pessoas [os ativistas detidos] têm de ser libertadas de imediato", sublinhou Timóteo Macedo, ele próprio um ex-preso político de Angola, onde esteve preso por 18 meses nos anos de 1978 e 1979.

Na opinião de João Paulo Batalha, da associação Transparência e Integridade, o julgamento dos 17 ativistas "é mais um passo numa sucessão de aumento da repressão e limitação da liberdade de expressão, da liberdade de protesto, da liberdade de organização".

O processo "é uma tentativa do regime de suprimir o descontentamento e a liberdade de expressão do povo angolano, para conseguir que continue viva a cultura de impunidade que tem governado aquele país desde há décadas e que, finalmente, está a ser questionada, não só por organizações internacionais como pela própria população angolana, que é o que tanto assusta o regime", afirmou ainda.

"No plano judicial, este é um processo que está a ser politicamente patrocinado e em que todo o sistema judicial está ao serviço do objetivo político e isso, obviamente, não nos faz prever um desfecho animador ou positivo", declarou o responsável da Transparência e Integridade, para quem "não têm sido garantidos aos réus direitos elementares de defesa".

Todavia, "aquilo que foi libertado da vontade de expressão, da vontade de organização e da vontade de mudança da sociedade angolana já não pode ser reprimido, já não pode ser suprimido, por muito que o regime tente, e a esperança que temos é de que, com organizações internacionais no terreno e a sociedade civil de vários países mobilizada, consigamos a mudança a que o regime resiste", concluiu.

Presente na ação, a Amnistia Internacional aproveitou para recolher assinaturas para uma petição que tem em curso, com vista à libertação dos 17 ativistas angolanos, 15 dos quais detidos desde junho, e que conta já com mais de 40.000 subscritores.

Lusa

  • Milhares protestam na Catalunha contra Madrid
    1:45

    Mundo

    O Governo de Madrid mostrou-se disposto a dar mais dinheiro e autonomia financeira à Catalunha, se o Governo Regional suspender o referendo independentista. A 10 dias da consulta popular, a tensão é explosiva, com protestos nas ruas, detenções e confrontos com as autoridades.

  • O que separa a Catalunha do resto de Espanha?
    2:12

    Mundo

    Desde 1640, as revoltas catalãs representam a vontade pela distância e pela independência. Numa região que não é reconhecida formalmente como Nação, na Catalunha entende-se e fala-se mais castelhano do que catalão. Mas o que realmente separa a Catalunha do resto de Espanha?

  • Marcelo Rebelo de Sousa avisou que depois das autárquicas viria um novo ciclo. A lógica levou-nos a assumir que estava a falar do PSD, mas hoje, olhando para a situação política, devemos também incluir nessa previsão a “geringonça” e os seus equilíbrios. Não acredito que as coisas mudem até às legislativas, mas as contas só se fazem depois dos votos das autárquicas. Até lá, o tom de voz das esquerdas vai engrossar.

    Bernardo Ferrão

  • #SICnaCampanha

    Autárquicas 2017

    As caravanas estão na estrada e os repórteres da SIC também. Acompanhe aqui os bastidores das autárquicas.

    Live blog

  • PSD não está a lutar "pela sobrevivência" em Lisboa
    3:29

    Autárquicas 2017

    Mais uma volta de norte a sul do país com a campanha dos líderes políticos para as próximas autárquicas. Ainda não acabou a guerra Bloco de Esquerda-CDU. A secretária-geral adjunta do PS bem se esforça, mas não consegue apoio nas ruas como António Costa. Pedro Passos Coelho voltou a aparecer ao lado de Teresa Leal Coelho, mas não quis comentar prováveis resultados na capital.

  • PCP e PS desvalorizam estudo de economistas com alternativa à do Governo
    1:09

    Orçamento do Estado 2018

    Um grupo de economistas, incluindo o deputado independente eleito pelo PS Paulo Trigo Pereira, publicou um estudo em que defende uma proposta alternativa à apresentada pelo Governo. O PCP e o PS desvalorizaram a opinião dos economistas e o Bloco de Esquerda disse que a consolidação orçamental poderia ser mais lenta. Já o PSD e o CDS aplaudem a proposta e defendem que o estudo apresentado é um aviso ao desnorte do Governo. 

  • Complexo Agroindustrial do Cachão abandonado e exposto à poluição
    2:03
  • Família Portugal Ramos
    15:01

    As Famílias Vintage regressaram esta quinta-feira, com uma viagem ao Alentejo. Foi a partir desta região que João Portugal Ramos conquistou um lugar entre os grandes do setor. Desde há 25 anos a vindimar em seu nome, o enólogo produz seis milhões de litros de vinho por ano.

  • Se pedir ao seu cão para ir buscar uma garrafa de vinho ele vai?
    0:49

    País

    Há 25 anos a vindimar no Alentejo, o enólogo João Portugal Ramos produz seis milhões de litros de vinho por ano. Em Estremoz comprou casa e terra. Iniciou a plantação de vinhas próprias e a construção de uma adega. Um espaço que conhece como as palmas da mão. Ele e um amigo muito especial.

  • Presidente das Filipinas pede que matem o filho se estiver envolvido nas drogas

    Mundo

    O Presidente das Filipinas pediu que matassem o seu filho se as acusações de que traficava droga fossem provadas. Rodrigo Duterte destacou ainda que, caso fosse verdade, iria proteger as autoridades que executassem Paolo Duterte. Em causa está a acusação de que o filho do Presidente filipino faria parte da máfia chinesa, que contrabandeia drogas, vindas da China para dentro do país.

    SIC

  • Morreu a mulher mais rica do mundo

    Mundo

    Liliane Bettencourt, herdeira do grupo de cosméticos L'Oréal e a mulher mais rica do mundo, segundo a revista Forbes, morreu na quarta-feira à noite aos 94 anos, anunciou a família.

  • Deputado do Canadá pede desculpa por chamar "Barbie do Clima" a ministra

    Mundo

    O deputado da província de Saskatchewan, no Canadá, chamou na terça-feira a ministra do Ambiente de "Barbie do Clima". Catherine McKenna não gostou de ser apelidada desta forma e acusou Gerry Ritz de ter um comportamento sexista. Após a crítica, foram precisos apenas 20 minutos para o deputado fazer um pedido de desculpas à ministra.

  • Espanhola tenta provar há sete anos que está viva

    Mundo

    Uma mulher de 53 anos está há sete anos a tentar provar que está viva. Segundo o Estado espanhol, Juana Escudero Lezcano morreu a 13 de maio de 2010, mas na realidade quem morreu foi uma mulher com o mesmo nome e data de nascimento.

    SIC