sicnot

Perfil

Mundo

Oxfam imputa metade das emissões de CO2 a 10% dos habitantes mais ricos do mundo

A organização não-governamental britânica Oxfam afirmou hoje que 10% dos habitantes mais ricos do mundo são responsáveis por mais de metade das emissões de dióxido de carbono (CO2).

reuters

Num relatório divulgado à margem das negociações sobre o clima, que decorrem em Le Bourget, arredores de Paris, a Oxfam adianta que, no sentido inverso, metade dos mais pobres no planeta é responsável por apenas 10% dos dejetos poluentes.

"As alterações climáticas estão intrinsecamente ligadas às desigualdades económicas: é uma crise induzida pelas emissões de gases com efeito de estufa que afetam mais duramente os pobres", lê-se no relatório intitulado "Desigualdades Extremas e Emissões de CO2".

No documento, é demonstrado que uma pessoa que faça parte do 1% da população mais rica do mundo "gera, em média, 175 vezes mais" dióxido de carbono do que a que está entre os 10% mais pobres do mundo.

Apesar de o cálculo das emissões de CO2 se faça geralmente em função da produção por país, o estudo analisa sobretudo as formas de consumo individual e tem em conta os produtos importados, comparando ainda os efeitos desses modos de vida sobre o clima.

O relatório da Oxfam mostra também que, mesmo que as emissões totais dos grandes países emergentes progridam muito rapidamente - a China é o primeiro poluídos do mundo -, "as emissões ligadas ao modo de consumo dos habitantes mais ricos desses países são bem menores do que as dos seus equivalente nos países ricos da OCDE".

A Oxfam salienta que a Índia, o terceiro país mais poluidor do mundo, atrás da China e dos Estados Unidos, deverá destronar os norte-americanos até 2030.

"É certo que as emissões aumentam rapidamente nos países em desenvolvimento, mas grande parte delas é proveniente da produção de bens de consumo noutros países", sublinha a organização não-governamental britânica.

"Os países em desenvolvimento devem fazer a sua parte, mas cabe aos países ricos mostrar o caminho e assumir as consequências desastrosas do seu modo de consumo e de desenvolvimento", acrescenta-se no documento.

No início de novembro último, os economistas franceses Lucas Cancel e Thomas Piketti, divulgaram um estudo semelhante e demonstraram que um norte-americano emite, em média, 22,5 toneladas de equivalentes a dióxido de carbono por ano, valor que é de apenas 2,2% quando se trata de um cidadão africano.

A questão da "responsabilidade histórica" dos países industrializados na deriva climática e a ajuda financeira aos países do Sul para poderem adaptar-se ao efeito de estufa e ao aquecimento global constituem os "pontos críticos" das negociações internacionais em curso.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59