sicnot

Perfil

Mundo

Polícia tunisina anuncia 20 detenções e desmantelamento de célula jihadista

A polícia tunisina deteve na noite de terça-feira 20 pessoas por alegadas ligações ao terrorismo 'jihadista', informou hoje em comunicado o Ministério do Interior da Tunísia.

Segundo a imprensa local, as forças de segurança já promoveram 1.880 operações em todo o país desde o atentado de 24 de novembro, e prenderam 155 pessoas.

Segundo a imprensa local, as forças de segurança já promoveram 1.880 operações em todo o país desde o atentado de 24 de novembro, e prenderam 155 pessoas.

© Zoubeir Souissi / Reuters

Sem fornecer detalhes sobre o local das detenções, o comunicado refere que estas detenções são consequência de 227 operações policiais efetuadas no decurso do recolher obrigatório, em vigor.

Fontes dos serviços de segurança citados pela agência noticiosa Efe referiram-se por seu turno ao desmantelamento de uma célula 'jihadista' especializada na cidade de Bizerta (norte), especializada no recrutamento e envio de voluntários para a Síria e Iraque.

Esta foi a segunda vez em dois dias que unidades especiais da luta antiterrorista afirmam ter desmantelado uma suposta célula 'jihadista' em Bizerta, com alegadas ligações ao grupo extremista Estado Islâmico (EI).

A organização de defesa dos direitos humanos Amnistia Internacional (AI) denunciou hoje diversos abusos da polícia tunisina nas detenções e buscas desencadeadas após o atentado suicida de 24 de novembro na capital, Tunes, contra um autocarro com membros da Guarda presidencial, com um balanço de 12 mortos.

Em comunicado, a AI afirma que as autoridades tunisinas "devem proteger a população, investigar os ataques a civis e apresentar os culpados perante a justiça. No entanto, não devem atentar contra os direitos humanos aterrorizando as famílias com buscas muito violentas e praticando detenções em massa", afirmou.

A ONG adverte ainda as autoridades para que evitem repetir a conduta da ditadura do ex-Presidente Ben Ali e "assegurar de modo escrupuloso que não se retoma a tortura e a repressão em nome da luta antiterrorista".

Segundo a imprensa local, as forças de segurança já promoveram 1.880 operações em todo o país desde o atentado de 24 de novembro, e prenderam 155 pessoas.

Lusa

  • Daesh reivindica atentado na Tunísia
    1:36

    Daesh

    O Daesh reivindicou o atentado da passada terça-feira na Tunísia. Treze pessoas morreram e 20 ficaram feridas num ataque contra um autocarro da guarda presidencial. As autoridades declararam o estado de emergência e o recolher obrigatório, em Tunes.

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.