sicnot

Perfil

Mundo

Polícias europeias desmantelam rede de traficantes

As polícia europeias desmantelaram hoje uma rede de traficantes e prenderam 23 pessoas suspeitas de terem facilitado a passagem ilegal de migrantes na Europa, anunciou o gabinete de coordenação policial Europol.

Diretor da Europol, Rob Wainwright. (Reuters/Arquivo)

Diretor da Europol, Rob Wainwright. (Reuters/Arquivo)

© Jerry Lampen / Reuters

"Este grupo organizado é suspeito de ter feito passar migrantes em situação irregular [sobretudo sírios] desde a Turquia, e de seguida facilitou a sua passagem pela Grécia em direção a outros países da UE através da rota dos Balcãs", indicou a Europol em comunicado.

A Europa enfrenta atualmente a pior crise migratória desde a Segunda Guerra Mundial, em particular devido ao fluxo de centenas de milhares de sírios e iraquianos, em fuga das prolongadas guerras nos seus países.

"Este grupo criminoso organizado é suspeito de ter feito passar cerca de 100 migrantes por dia e atuava desde 2013", precisou a mesma fonte, segundo a qual o grupo arrecadou mais de dez milhões de euros devido a estas atividades.

Os suspeitos, já identificados, são na maioria gregos e sírios, mas também palestinianos.

O presumível chefe do grupo foi preso em Liverpool, no Reino Unido, enquanto as restantes detenções ocorreram na Grécia (13), Áustria (sete) e Suécia (duas). A operação foi conduzida pela polícia grega, em colaboração com as polícias desses países e com o apoio da Europol.

O grupo desenvolvia as suas operações a partir da Grécia. As "passagens" eram efetuadas sobretudo por gregos, coordenados por um albanês.

Os membros do grupo garantiam toda a logística do tráfico de imigrantes "desde transporte a falsos documentos e ainda a alojamentos", precisou a Europol.

Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Ilhas Selvagens são um tesouro no Atlântico que é preciso preservar
    2:33
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01