sicnot

Perfil

Mundo

Autoridades sul-africanas negam ter emitido mandado de captura para Pistorius

A procuradoria-geral sul-africana declarou hoje à noite não ter emitido qualquer mandado de captura para o atleta paralímpico Oscar Pistorius, depois de o Supremo Tribunal o ter considerado culpado do homicídio da namorada.

Alon Skuy

"Não foi emitido qualquer mandado de captura, estamos a agilizar o processo para que ele possa comparecer em tribunal com urgência", disse o porta-voz da procuradoria-geral, Luvuyo Mfaku, desmentindo notícias da imprensa local.

"Cabe ao juiz decidir sobre a emissão de um mandado de captura", acrescentou.

Durante a tarde de hoje, o canal de informação eNCA noticiou: "Um mandado de captura foi emitido para Oscar Pistorius, mas só será aplicado na terça-feira".

O antigo campeão paralímpico, acusado de ter matado a namorada em fevereiro de 2013, foi condenado a cinco anos de prisão em primeira instância por homicídio involuntário.

Na quinta-feira, o tribunal de segunda instância alterou o veredito e considerou-o culpado de homicídio.

Desde então, a sua situação em relação à justiça desencadeou uma batalha de especialistas: tecnicamente, a sua condenação a cinco anos de prisão por homicídio involuntário foi revogada pelo tribunal de recurso, mas não foi ainda decretada nova pena.

Até agora, Pistorius estava a cumprir a pena em prisão domiciliária na propriedade do tio e a fazer serviço comunitário. Mas agora, depois de considerado um assassino, deverá, segundo a procuradoria-geral, comparecer em tribunal para pedir liberdade sob fiança.

O porta-voz da procuradoria confirmou que o ex-ídolo desportivo será rapidamente ouvido: "Espero que fixemos uma data na próxima semana".

A nova sentença só deverá ser proferida no início de 2016, pelo que a questão agora é saber se regressará à prisão ou se será libertado sob fiança enquanto aguarda a decisão.

Aos 29 anos, poderá ser condenado a uma pena mínima de 15 anos.

Pistorius nunca negou ter matado a namorada, Reeva Steenkamp, mas sempre declarou que pensava estar a disparar sobre um intruso entrado durante a noite em sua casa.

Os juízes da segunda instância não puseram em causa a sua versão dos factos, apenas sublinharam o facto de o antigo atleta, ao disparar quatro balas de grande calibre para a porta de uma casa de banho estreita, não poder ignorar que corria o risco de matar quem lá estivesse dentro.

Lusa

  • Celebridades protestam contra Donald Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os discursos de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa estiveram no Jornal da Noite da SIC, onde analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O Diretor de Informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por um avalanche em Itália
    1:44
  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida