sicnot

Perfil

Mundo

China inicia construção do maior parque eólico do país

A China começou a construir o maior parque eólico do país na ilha de Nanri, na província de Fujian (sudeste), que se prevê que terá uma potência instalada de 400 MW, anunciaram hoje as autoridades locais.

© Andrew Wong / Reuters

Com conclusão prevista para 2018, a estrutura produzirá em torno de 1,4 milhões de quilowatts-hora (kWh), o equivalente a queimar 450 mil toneladas de carvão, segundo números divulgados pela agência noticiosa oficial chinesa Xinhua.

Segundo fontes ocidentais, o "gigante" asiático investiu 89 mil milhões de dólares em energia limpa em 2014, o maior volume entre as nações em desenvolvimento, mas cerca de dois terços da energia consumida no país continuam a assentar no carvão.

"Grande parte do aumento da capacidade instalada de produção de energia limpa no mundo provém da China", assinalou à Lusa um consultor português na área do ambiente Renato Roldão, radicado em Pequim desde 2008.

"Mas a capacidade instalada não se reflete no consumo", ressalva, acrescentando que "boa parte dessa energia é desperdiçada".

Na quarta-feira, o Governo chinês anunciou um plano de modernização das instalações energéticas que utilizam carvão, visando uma redução das emissões poluentes em 60%, antes de 2020.

A medida representa uma redução anual de 180 milhões de toneladas nas emissões chinesas de CO2 (dióxido de carbono).

Estima-se que o país tenha libertado entre nove e dez mil milhões de toneladas de CO2 em 2013, quase o dobro dos Estados Unidos da América e cerca de duas vezes e meia mais do que a União Europeia.

Durante a cimeira para as alterações climáticas das Nações Unidas, que decorre em Paris, vinte países, entre eles os mais populosos - China, EUA, Índia, Indonésia e Brasil - e os mais poluentes, concordaram em duplicar o seu investimento em investigação sobre energias limpas.

Lusa

  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.