sicnot

Perfil

Mundo

China inicia construção do maior parque eólico do país

A China começou a construir o maior parque eólico do país na ilha de Nanri, na província de Fujian (sudeste), que se prevê que terá uma potência instalada de 400 MW, anunciaram hoje as autoridades locais.

© Andrew Wong / Reuters

Com conclusão prevista para 2018, a estrutura produzirá em torno de 1,4 milhões de quilowatts-hora (kWh), o equivalente a queimar 450 mil toneladas de carvão, segundo números divulgados pela agência noticiosa oficial chinesa Xinhua.

Segundo fontes ocidentais, o "gigante" asiático investiu 89 mil milhões de dólares em energia limpa em 2014, o maior volume entre as nações em desenvolvimento, mas cerca de dois terços da energia consumida no país continuam a assentar no carvão.

"Grande parte do aumento da capacidade instalada de produção de energia limpa no mundo provém da China", assinalou à Lusa um consultor português na área do ambiente Renato Roldão, radicado em Pequim desde 2008.

"Mas a capacidade instalada não se reflete no consumo", ressalva, acrescentando que "boa parte dessa energia é desperdiçada".

Na quarta-feira, o Governo chinês anunciou um plano de modernização das instalações energéticas que utilizam carvão, visando uma redução das emissões poluentes em 60%, antes de 2020.

A medida representa uma redução anual de 180 milhões de toneladas nas emissões chinesas de CO2 (dióxido de carbono).

Estima-se que o país tenha libertado entre nove e dez mil milhões de toneladas de CO2 em 2013, quase o dobro dos Estados Unidos da América e cerca de duas vezes e meia mais do que a União Europeia.

Durante a cimeira para as alterações climáticas das Nações Unidas, que decorre em Paris, vinte países, entre eles os mais populosos - China, EUA, Índia, Indonésia e Brasil - e os mais poluentes, concordaram em duplicar o seu investimento em investigação sobre energias limpas.

Lusa

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14