sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 300 mil mulheres morrem anualmente durante o parto

Das cerca de 130 milhões de mulheres que dão à luz todos os anos no mundo, 303 mil morrem durante o parto, a maioria oriunda de países em desenvolvimento, alertou hoje a Organização Mundial de Saúde (OMS).

© Shaun Best / Reuters

A agência das Nações Unidas também indicou que todos os anos são registados, a nível mundial, 2,6 milhões de casos em que o bebé nasce morto (nado-morto) e outros 2,7 milhões de casos em que o recém-nascido morre durante os primeiros 28 dias de vida.

A grande parte das mortes, tanto de mães como de recém-nascidos, acontece nas 24 horas seguintes ao parto e, segundo a OMS, a maioria é evitável.

Em reação a estes números, a organização internacional lançou um novo guia em que destaca as principais complicações que podem surgir e desencadear a morte da mãe ou do recém-nascido, tais como as hemorragias pós-parto, infeções, obstruções, pré-eclampsia (que se manifesta através de hipertensão arterial) ou asfixia.

A OMS espera que este novo guia "ajude os profissionais da área da saúde a seguir os cuidados essenciais e uniformizados em cada parto" e assim evitar estes casos de morte.

No manual destacam-se quatro momentos em que os profissionais têm de verificar que "tudo está em ordem": quando a mãe é admitida nas instalações de saúde, antes do início do parto ou da cesariana, durante a primeira hora após o nascimento e antes da mãe e da criança terem alta hospitalar.

De acordo com a OMS, estes quatro momentos são decisivos para que os profissionais de saúde possam antecipar e atuar perante qualquer complicação.

Lusa

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • "É muito importante ceder à tentação de se abolir a liberdade"
    1:06