sicnot

Perfil

Mundo

Autoridades egípcias prendem dois jovens supeitos de envolvimento no ataque a discoteca

As forças de segurança egípcias detiveram hoje dois jovens supostamente implicados no ataque com "cocktails molotov" perpetrados na sexta-feira num restaurante e clube noturno no Cairo que causou 16 mortos, anunciou o Ministério do Interior.

© Mohamed Abd El Ghany / Reuter

Os detidos, de 18 e 19 anos, fugiram numa motocicleta após o ataque e foram presos pela polícia na província do Suez, a nordeste do Egito.

Durante o interrogatório, um dos jovens admitiu ter disparado no local e ter lançado dois "cocktails molotov" com a ajuda de duas outras pessoas, que estão ainda em fuga, referiu o Ministério do Interior.

Segundo o Governo egípcio, a razão pela qual sucedeu este ataque mortal foi a recusa dos funcionários do clube "Al Sayad" em deixar entrar dois jovens no estabelecimento.

O dono do clube, Hussein Ramadan, disse sexta-feira ao jornal Al Ahram que existiam quatro homens envolvidos no ataque e que já foram identificados pela polícia, sendo que dois deles foram proibidos de entrar no estabelecimento noturno.

O ataque ocorreu às seis da manhã de sexta-feira, hora do encerramento da discoteca, e causou um incêndio no local, no bairro de Aguza, na rua paralela ao Nilo.

O porteiro do prédio, Tarek Mustafa, disse à Agência Efe que, devido à cobertura de madeira do restaurante e discoteca, a propagação do fogo foi imediata, provocando a morte de muitas pessoas por queimaduras e asfixia.

A situação de segurança deteriorou-se no Egito desde a revolução de 2011, com um aumento da criminalidade e dos atentados terroristas.

Lusa

  • A inédita entrevista do príncipe Harry a Barack Obama
    0:47
  • Primeiro-ministro assume desafio de "reconstruir e preparar o futuro"
    3:01
  • Nova troca de acusações entre Rui Rio e Santana Lopes
    2:28

    País

    Pedro Santana Lopes disse este domingo, na apresentação do programa de candidatura, que enquanto uns descem, ele sobe o nível do debate, na corrida à liderança do PSD. Foi a resposta às críticas de Rui Rio, que o acusou de não saber o que quer e de continuar a fazer trapalhadas.