sicnot

Perfil

Mundo

Barack Obama pede mais medidas para o controlo de armas

O Presidente norte-americano, Barack Obama, declarou hoje que os Estados Unidos "não ficarão aterrorizados" e renovou o seu apelo por mais medidas apertadas de controlo de armas, referindo-se ao ataque em San Bernardino, na Califórnia, que fez 14 mortos.

© Kevin Lamarque / Reuters

Com a forte possibilidade do ataque em San Bernardino estar ligado ao terrorismo, nomeadamente inspirado no grupo extremista Estado Islâmico, Obama prometeu que as investigações sobre o caso "vão até ao fundo" de como e porque tal aconteceu.

Tashfeen Malik e Syed Farook irromperam na quarta-feira numa festa de final de ano em San Bernardino, no Estado da Califórnia, e abriram fogo na sala que estava cheia de colegas de trabalho de Syed Farook, matando 14 pessoas e ferindo mais de 20.

"É inteiramente possível que esses dois atacantes tivessem sido radicalizados para cometer esse ato de terror", referiu Obama no seu discurso semanal.

"Sabemos que o Estado Islâmico e outros grupos terroristas estão a incentivar ativamente as pessoas - em todo o mundo e no nosso país - para cometer atos terríveis de violência, muitas vezes como atores individuais, como lobos solitários", referiu o Presidente norte-americano.

"Todos nós - governo, forças de segurança, comunidades, líderes religiosos -- precisamos trabalhar em conjunto para impedir que as pessoas se tornem vítimas de ideologias de ódio", acrescentou.

Obama renovou os seus apelos a uma reconsideração sobre as leis de armas, que permitem a qualquer adulto comprar armamento e munições.

"Sabemos que os assassinos em San Bernardino utilizaram armas de assalto de uso militar, armas de guerra, para matar tantas pessoas quanto podiam. É mais um trágico lembrete de que aqui na América é muito fácil para as pessoas perigosas terem uma arma em suas mãos ", sublinhou, acrescentando que como Presidente, deve lutar pela segurança dos seus cidadãos.

Lusa

  • PSD e CDS assinalam 36º aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro
    1:38

    País

    O presidente do PSD deixou críticas ao Partido Comunista, este domingo, a propósito do aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro. Pedro Passos Coelho lembrou os festejos dos comunistas na altura, numa resposta a quem questionou a abstenção dos sociais-democratas ao voto de pesar a Fidel Castro, que o PCP levou ao Parlamento. Este domingo, tanto o PSD como o CDS-PP prestaram homenagem a Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa.