sicnot

Perfil

Mundo

Barack Obama pede mais medidas para o controlo de armas

O Presidente norte-americano, Barack Obama, declarou hoje que os Estados Unidos "não ficarão aterrorizados" e renovou o seu apelo por mais medidas apertadas de controlo de armas, referindo-se ao ataque em San Bernardino, na Califórnia, que fez 14 mortos.

© Kevin Lamarque / Reuters

Com a forte possibilidade do ataque em San Bernardino estar ligado ao terrorismo, nomeadamente inspirado no grupo extremista Estado Islâmico, Obama prometeu que as investigações sobre o caso "vão até ao fundo" de como e porque tal aconteceu.

Tashfeen Malik e Syed Farook irromperam na quarta-feira numa festa de final de ano em San Bernardino, no Estado da Califórnia, e abriram fogo na sala que estava cheia de colegas de trabalho de Syed Farook, matando 14 pessoas e ferindo mais de 20.

"É inteiramente possível que esses dois atacantes tivessem sido radicalizados para cometer esse ato de terror", referiu Obama no seu discurso semanal.

"Sabemos que o Estado Islâmico e outros grupos terroristas estão a incentivar ativamente as pessoas - em todo o mundo e no nosso país - para cometer atos terríveis de violência, muitas vezes como atores individuais, como lobos solitários", referiu o Presidente norte-americano.

"Todos nós - governo, forças de segurança, comunidades, líderes religiosos -- precisamos trabalhar em conjunto para impedir que as pessoas se tornem vítimas de ideologias de ódio", acrescentou.

Obama renovou os seus apelos a uma reconsideração sobre as leis de armas, que permitem a qualquer adulto comprar armamento e munições.

"Sabemos que os assassinos em San Bernardino utilizaram armas de assalto de uso militar, armas de guerra, para matar tantas pessoas quanto podiam. É mais um trágico lembrete de que aqui na América é muito fácil para as pessoas perigosas terem uma arma em suas mãos ", sublinhou, acrescentando que como Presidente, deve lutar pela segurança dos seus cidadãos.

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Samsung vai vender modelos reparados do Galaxy Note 7

    Economia

    A Samsung Electronics anunciou hoje que vai vender e alugar telemóveis reparados do modelo Galaxy Note 7 depois de no ano passado a empresa ter decidido suspender a respetiva produção devido a incêndios nas baterrias de íon-lítio.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.