sicnot

Perfil

Mundo

Nada indica que autores do ataque na Califórnia pertençam a grupo terrorista, diz Casa Branca

A Casa Branca afirmou hoje que nada indicia que os autores do ataque de quarta-feira em San Bernardino, Califórnia (EUA), estejam ligados a um grupo terrorista.

© Jason Reed / Reuters


"Não há, até agora, nenhuma indicação de que os autores façam parte de um grupo organizado ou de uma célula terrorista", indicou um porta-voz da presidência norte-americana, indicando, porém, que essa pista está a ser considerada pelo FBI nas investigações em curso.

Hoje, o grupo terrorista Estado Islâmico (EI) assegurou no seu espaço radiofónico terem sido dois dos seus seguidores a perpetrar o ataque, em que morreram 14 pessoas.

O anúncio ocorreu horas depois de o diretor assistente do FBI em Los Angeles, David Bowdich, ter informado que o tiroteio está a ser investigado como tendo-se tratado de "um ato de terrorismo" e de vários meios terem revelado que um dos autores tinha ligações ao EI.

A emissora relatou que os alegados seguidores do EI dispararam no interior do centro, causando a morte de 14 pessoas e ferimentos a mais de 20, tendo depois perdido a vida num tiroteio com a polícia.

Os atacantes, Syed Farook e a sua mulher Tashfeen Malik, tinham consigo mais de 1.600 balas e guardavam mais 4.500 em casa: 2.500 para espingardas e 2.000 para pistolas, segundo as autoridades norte-americanas.

Fontes próximas da investigação citadas sexta-feira por vários meios de comunicação dos EUA indicaram que Malik havia jurado lealdade ao líder do EI, Abu Bakr al Bagdadi, numa mensagem no Facebook deixada sob um perfil falso.

Sobre o possível vínculo entre Malik e o EI, Bowdich declarou que o FBI "está ao corrente" e "a investigar" o assunto, embora não o tenha confirmado.

Apesar do anúncio feito hoje no boletim radiofónico de Al Bayan, ouvido no Cairo, não é fácil determinar a existência de coordenação entre Malik e o EI ou se o grupo terrorista estará simplesmente a tentar tirar partido do sucesso do caso, concluiu.

Lusa

  • Daesh reivindica atentado nos EUA
    1:27

    Mundo

    O Daesh acaba de reivindicar o ataque desta semana que provocou a morte de 14 pessoas em San Bernardino, na Califórnia. A declaração foi feita por elementos do estado islâmico a uma rádio online e acontece 3 dias depois do caso que já estava a ser investigado pelo FBI como um ato de terrorismo.

  • Assalto à base militar de Tancos
    0:42

    País

    Várias granadas e munições foram roubadas dos paióis da base militar de Tancos. A Polícia Judiciária Militar já está a investigar.

  • Detido antigo diretor regional do BES na Madeira

    Queda do BES

    Foi detido o antigo diretor do Banco Espírito Santo da Madeira, no âmbito do chamado processo ao Universo GES. João Alexandre Silva tinha sido também o representante do BES na Venezuela, onde a instituição portuguesa abriu várias agências em diversas cidades e tinha cerca de 7600 clientes domiciliados.

    Notícia SIC

  • Couves, arroz integral e bróculos biológicos com pesticidas sintéticos
    2:29
  • ASAE apreende leite com água oxigenada para fabrico de queijo

    Economia

    A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) apreendeu leite com água oxigenada, destinado ao fabrico de queijo. As investigações decorreram nos últimos dois meses e foram dirigidas a vários produtores de leite. As investigações iniciaram-se com a deteção de uma viatura para transporte do leite sem qualquer sistema de refrigeração.

  • Crise na Venezuela faz aumentar casos de desnutrição infantil
    2:13
  • Mulher mata namorado em brincadeira com arma no Youtube

    Mundo

    Uma mulher do Minnesota, nos EUA, está a ser acusada de disparar mortalmente sobre o namorado quando ambos faziam um vídeo para publicar no Youtube. Monaliza Perez, de 20 anos, foi detida depois de disparar sobre Pedro Ruiz, que segurava um livro junto ao seu peito, confiante que seria o suficiente para parar a bala.

  • Comissão Europeia adota plano contra resistência a antibióticos

    Mundo

    A Comissão Europeia adotou, hoje, um plano para combater a resistência aos antibióticos, uma ameaça que mata anualmente 25 mil pessoas na União Europeia (UE) e custa 1,5 mil milhões de euros. Em paralelo ao plano, apresenta ainda regras para um "uso prudente de antibióticos".