sicnot

Perfil

Mundo

Fações da Líbia anunciam acordo após caos provocado pela queda de Kadhafi

As fações beligerantes da Líbia, reunidas hoje na Tunísia, anunciaram que tinham chegado a um acordo para acabar com o impasse político que assolou o país desde a queda de Muammar Kadhafi.

© Esam Al-Fetori / Reuters

O acordo ainda terá de ser aprovado pelos respetivos parlamentos.

"Este é um momento histórico que os líbios esperavam, os árabes esperavam e o mundo esperava", disse Abdul-Sadiq Mohammed Awad, o responsável governamental da fação Congresso Geral Nacional, baseada em Tripoli, depois de negociações com os rivais, conhecidos internacionalmente por Câmara dos Deputados.

"Convidamos todos os países vizinhos (...) mas também a comunidade internacional a apoiar este acordo que tornará a região mais segura", acrescentou o também vice-presidente do Parlamento de Tripoli.

A procura de uma solução para a Líbia tem estado no centro das preocupações de muitos países, magrebinos, africanos e europeus, que temem a consolidação do grupo Estado Islâmico (EI).

Na "declaração de princípio", a que a agência France Presse teve acesso, as duas partes afirmam ser objetivo lançar as bases de uma "cooperação conjunta transparente", tendo como pano de fundo a assinatura de um acordo político que prevê, entre outras questões, a formação de um governo de unidade nacional.

Até lá, caberá a um comité de 10 membros, cinco de cada parlamento, escolher um primeiro-ministro e dois vice-primeiros-ministros.

Segundo o texto do acordo, os representantes líbios reuniram-se na Tunísia sem qualquer ingerência externa e sem pré-condições.

Segundo fontes próximas das negociações, os responsáveis líbios vão começar a ser recebidos hoje ao final do dia pelo presidente tunisino, Béji Caid Essebsi.

Na conferência de imprensa, Abdoul-Sadiq manifestou palavras de afeto calorosas à Tunísia e respetivos responsáveis políticos, apesar de as autoridades de Tunes não terem desempenhado qualquer papel oficial nas negociações.

O anúncio sobre um acordo de princípio entre as duas partes surge depois de vários impasses negociais, o que levou o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, a afirmar em fins de novembro que a Líbia não teria outra solução que não a de forçar um governo de unidade nacional.

A Líbia é vítima da guerra civil e caos, onde o poder está dividido entre dois governos, um em Tripoli e outro em Tobruk, que lutam pelo controlo do país apoiados por diferentes grupos islamitas, senhores da guerra, líderes tribais e contrabandistas de petróleo, armas, pessoas e drogas.

Ainda hoje, o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, afirmou ser necessário garantir a estabilidade na Líbia, acrescentando que a organização está preparada para ajudar se o país o solicitar.

"Estamos preparados para prestar assistência a um Governo de unidade nacional na Líbia, se este nos pedir. Não estamos a falar de uma nova intervenção militar na Líbia, mas, se se formar Governo de unidade nacional, estamos preparados para ajudar", afirmou Stoltenberg numa entrevista publicada hoje no diário italiano Repubblica.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • "É muito importante ceder à tentação de se abolir a liberdade"
    1:06