sicnot

Perfil

Mundo

Fações da Líbia anunciam acordo após caos provocado pela queda de Kadhafi

As fações beligerantes da Líbia, reunidas hoje na Tunísia, anunciaram que tinham chegado a um acordo para acabar com o impasse político que assolou o país desde a queda de Muammar Kadhafi.

© Esam Al-Fetori / Reuters

O acordo ainda terá de ser aprovado pelos respetivos parlamentos.

"Este é um momento histórico que os líbios esperavam, os árabes esperavam e o mundo esperava", disse Abdul-Sadiq Mohammed Awad, o responsável governamental da fação Congresso Geral Nacional, baseada em Tripoli, depois de negociações com os rivais, conhecidos internacionalmente por Câmara dos Deputados.

"Convidamos todos os países vizinhos (...) mas também a comunidade internacional a apoiar este acordo que tornará a região mais segura", acrescentou o também vice-presidente do Parlamento de Tripoli.

A procura de uma solução para a Líbia tem estado no centro das preocupações de muitos países, magrebinos, africanos e europeus, que temem a consolidação do grupo Estado Islâmico (EI).

Na "declaração de princípio", a que a agência France Presse teve acesso, as duas partes afirmam ser objetivo lançar as bases de uma "cooperação conjunta transparente", tendo como pano de fundo a assinatura de um acordo político que prevê, entre outras questões, a formação de um governo de unidade nacional.

Até lá, caberá a um comité de 10 membros, cinco de cada parlamento, escolher um primeiro-ministro e dois vice-primeiros-ministros.

Segundo o texto do acordo, os representantes líbios reuniram-se na Tunísia sem qualquer ingerência externa e sem pré-condições.

Segundo fontes próximas das negociações, os responsáveis líbios vão começar a ser recebidos hoje ao final do dia pelo presidente tunisino, Béji Caid Essebsi.

Na conferência de imprensa, Abdoul-Sadiq manifestou palavras de afeto calorosas à Tunísia e respetivos responsáveis políticos, apesar de as autoridades de Tunes não terem desempenhado qualquer papel oficial nas negociações.

O anúncio sobre um acordo de princípio entre as duas partes surge depois de vários impasses negociais, o que levou o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, a afirmar em fins de novembro que a Líbia não teria outra solução que não a de forçar um governo de unidade nacional.

A Líbia é vítima da guerra civil e caos, onde o poder está dividido entre dois governos, um em Tripoli e outro em Tobruk, que lutam pelo controlo do país apoiados por diferentes grupos islamitas, senhores da guerra, líderes tribais e contrabandistas de petróleo, armas, pessoas e drogas.

Ainda hoje, o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, afirmou ser necessário garantir a estabilidade na Líbia, acrescentando que a organização está preparada para ajudar se o país o solicitar.

"Estamos preparados para prestar assistência a um Governo de unidade nacional na Líbia, se este nos pedir. Não estamos a falar de uma nova intervenção militar na Líbia, mas, se se formar Governo de unidade nacional, estamos preparados para ajudar", afirmou Stoltenberg numa entrevista publicada hoje no diário italiano Repubblica.

  • Fogo em Setúbal dominado
    2:31

    País

    O incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal está dominado. As chamas chegaram a ameaçar as casas, o que obrigou à retirada de cerca de 500 pessoas das habitações, como medida de precaução. Também o Hotel do Sado teve de ser evacuado.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.