sicnot

Perfil

Mundo

Presidente sírio considera ilegais os bombardeamentos do Reino Unido no seu país

Os bombardeamentos aéreos realizados desde quinta-feira pelo Reino Unido contra o grupo extremista Estado Islâmico na Síria são "ilegais" e "farão o terrorismo espalhar-se", afirmou o Presidente sírio numa entrevista ao jornal Sunday Times.

Bashar al-Assad é o presidente da Síria desde julho de 2000.

Bashar al-Assad é o presidente da Síria desde julho de 2000.

© Sana Sana / Reuters


"Isso é prejudicial, ilegal e será uma forma de apoiar o terrorismo (a espalhar-se), como aconteceu desde o início da intervenção da coligação há um ano, ou mais, atrás, declarou Bashar Al-Assad numa entrevista publicada hoje pelo jornal, referindo-se aos bombardeamentos autorizados na quarta-feira pelo parlamento britânico.

"Você não os pode derrotar somente com bombardeamentos aéreos. Você não os pode derrotar sem a cooperação com tropas em terra. Você não os pode derrotar se não tiver a aprovação do povo e do Governo", disse ainda.

O presidente sírio também ironizou os "70.000 combatentes sírios moderados" mencionados pelo primeiro-ministro britânico, David Cameron, em que a coligação poderia apoiar-se em terra.

"Onde estão eles? Onde estão os 70.000 combatentes moderados de que ele fala? Não há 70.000. Não há nem 7.000", afirmou.

Bashar Al-Assad, em contrapartida, elogiou a intervenção russa no seu país, descrevendo-a como "legal" porque responde a "um pedido" de sua parte.

"Quantas células extremistas existem agora na Europa? Quantos extremistas têm vocês exportado da Europa para a Síria? O perigo é a incubadora. Os russos compreenderam bem isso. Eles querem proteger a Síria, o Iraque, a região e mesmo a Europa. Eu não estou exagerando ao dizer que eles estão a proteger hoje a Europa ", argumentou.

Questionado sobre uma possível intervenção no terreno de soldados russos, Al-Assad respondeu que o assunto "ainda não tinha sido discutido".

"Não acho que precisamos agora (desta intervenção no solo) porque as coisas estão a evoluir com bom senso", acrescentou.

O Presidente deixou igualmente em aberto a possibilidade de uma cooperação com os países ocidentais, se estes estiverem "verdadeiramente prontos a ajudar a combater o terrorismo".

"Se estiverem prontos, nós os acolheremos", referiu.

"Nós somos pragmáticos. Em última análise, queremos resolver a situação na Síria e evitar mais derramamento de sangue", afirmou.

Questionado se iria concorrer à Presidência de seu país, em caso de realização de eleições, respondeu que "Se não se chegar a um acordo sobre esse processo, eu sou como qualquer outro sírio, com o direito a candidatar-me".

"Minha decisão será baseada na minha capacidade de agir e (depende de saber) se eu tenho o apoio do povo sírio", avaliou.

Lusa

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Guterres apela à Coreia do Norte para cumprir resoluções

    Mundo

    O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, apelou este sábado ao ministro do Exterior da Coreia do Norte, Ri Yong Ho, para o cumprimento das resoluções que o Conselho de Segurança impôs ao país em resposta à sua escalada armada.

  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.