sicnot

Perfil

Mundo

Presidente sírio considera ilegais os bombardeamentos do Reino Unido no seu país

Os bombardeamentos aéreos realizados desde quinta-feira pelo Reino Unido contra o grupo extremista Estado Islâmico na Síria são "ilegais" e "farão o terrorismo espalhar-se", afirmou o Presidente sírio numa entrevista ao jornal Sunday Times.

Bashar al-Assad é o presidente da Síria desde julho de 2000.

Bashar al-Assad é o presidente da Síria desde julho de 2000.

© Sana Sana / Reuters


"Isso é prejudicial, ilegal e será uma forma de apoiar o terrorismo (a espalhar-se), como aconteceu desde o início da intervenção da coligação há um ano, ou mais, atrás, declarou Bashar Al-Assad numa entrevista publicada hoje pelo jornal, referindo-se aos bombardeamentos autorizados na quarta-feira pelo parlamento britânico.

"Você não os pode derrotar somente com bombardeamentos aéreos. Você não os pode derrotar sem a cooperação com tropas em terra. Você não os pode derrotar se não tiver a aprovação do povo e do Governo", disse ainda.

O presidente sírio também ironizou os "70.000 combatentes sírios moderados" mencionados pelo primeiro-ministro britânico, David Cameron, em que a coligação poderia apoiar-se em terra.

"Onde estão eles? Onde estão os 70.000 combatentes moderados de que ele fala? Não há 70.000. Não há nem 7.000", afirmou.

Bashar Al-Assad, em contrapartida, elogiou a intervenção russa no seu país, descrevendo-a como "legal" porque responde a "um pedido" de sua parte.

"Quantas células extremistas existem agora na Europa? Quantos extremistas têm vocês exportado da Europa para a Síria? O perigo é a incubadora. Os russos compreenderam bem isso. Eles querem proteger a Síria, o Iraque, a região e mesmo a Europa. Eu não estou exagerando ao dizer que eles estão a proteger hoje a Europa ", argumentou.

Questionado sobre uma possível intervenção no terreno de soldados russos, Al-Assad respondeu que o assunto "ainda não tinha sido discutido".

"Não acho que precisamos agora (desta intervenção no solo) porque as coisas estão a evoluir com bom senso", acrescentou.

O Presidente deixou igualmente em aberto a possibilidade de uma cooperação com os países ocidentais, se estes estiverem "verdadeiramente prontos a ajudar a combater o terrorismo".

"Se estiverem prontos, nós os acolheremos", referiu.

"Nós somos pragmáticos. Em última análise, queremos resolver a situação na Síria e evitar mais derramamento de sangue", afirmou.

Questionado se iria concorrer à Presidência de seu país, em caso de realização de eleições, respondeu que "Se não se chegar a um acordo sobre esse processo, eu sou como qualquer outro sírio, com o direito a candidatar-me".

"Minha decisão será baseada na minha capacidade de agir e (depende de saber) se eu tenho o apoio do povo sírio", avaliou.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    1:16

    Perdidos e Achados

    Ao final do dia 29 de Junho de 1975, 89 agentes da PIDE fugiam da cadeia de Vale de Judeus, em Alcoentre. Mais de 40 anos depois, Perdidos e Achados recupera um dos acontecimentos do Verão Quente em Portugal. Hoje no Jornal da Noite e conteúdos exclusivos no site.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa

  • Casa Madonna di Fatima em Roma é um lar de idosos com 9 irmãs portuguesas
    4:29

    Mundo

    A mais antiga igreja dedicada à Senhora de Fátima em Roma tem mais de 50 anos. Foi construída pelas franciscanas hospitaleiras do Imaculado Coração, uma congregação fundada em Portugal. Hoje, as religiosas portuguesas gerem um lar na mesma rua, mas o templo foi entregue a uma congregação italiana.