sicnot

Perfil

Mundo

Socialistas franceses retiram-se de duas regiões para "barrar" caminho à extrema-direita na segunda volta

O Partido Socialista (PS), no poder em França, anunciou hoje a sua retirada na segunda volta das eleições regionais em 13 de dezembro de pelo menos duas regiões decisivas, para "impedir" uma vitória da extrema-direita.

Reuters

"Nas regiões com o risco Frente Nacional e onde a esquerda não ultrapassa a direita, o Partido Socialista decidiu proceder uma obstrução republicana, em particular no Nord-Pas-de-Calais-Picardie e Provence-Alpes-côte d'Azur", a norte e a sul do país, declarou o número um do PS, Jean-Christophe Cambadélis.

"Durante cinco anos, os socialistas não estarão presentes nessas regiões", acrescentou, após uma reunião extraordinária da direção do partido do Presidente François Hollande.

O partido de extrema-direita Frente Nacional (FN) foi o grande vencedor da primeira volta das eleições regionais francesas que hoje decorreram, com um resultado nacional recorde de 27,2% a 30,3%, de acordo com as estimativas dos institutos de sondagens.

A FN está à frente da oposição de direita e do PS em pelo menos seis de 13 regiões.

A presidente da FN, Marine Le Pen a norte, e a sua sobrinha, Marion Maréchal-Le Pen, a sul, estão creditadas com mais de 40% dos votos, segundo as estimativas, o que as coloca em posição de vencer nas regiões de Nord-Pas-de-Calais-Picardie e Provence-Alpes-côte d'Azur na segunda volta.

Lusa

  • Trabalharia horas extra sem ser pago? E feriados?  
    1:25
  • UE dá "luz verde" para início das negociações do Brexit

    Brexit

    Os 27 Estados-membros da União Europeia aprovaram esta segunda-feira a autorização para o início das negociações do Brexit, indicando formalmente o final de junho para início do processo de saída do Reino Unido, que se prolongará por dois anos.

  • Donald Trump em Israel
    2:14
  • Regras secretas do Facebook permitem divulgação de imagens violentas

    Mundo

    A política interna da empresa Facebook defende que nem todos os vídeos violentos publicados na rede social devem ser apagados porque "não quer censurar ou punir pessoas em perigo". A revelação é feita pelo jornal britânico The Guardian após uma investigação em que conseguiu ter acesso ao manual interno.