sicnot

Perfil

Mundo

Coligação internacional nega ter bombardeado acompamento militar sírio

A coligação internacional liderada pelos Estados Unidos negou hoje ter bombardeado um acampamento do exército sírio na localidade de Deir Ezzor, como acusou o governo de Damasco e o Observatório dos Direito Humanos Sírio.

© Yiannis Kourtoglou / Reuters

"Estamos a par dessas informações que apareceram na imprensa, mas nós não lançámos qualquer ataque nessa parte de Deir Ezzor, mas sim a 55 quilómetros desse local", indicou à agência francesa AFP o porta-voz da coligação, o coronel Steve Warren.

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Síria condenou hoje um ataque da coligação internacional que atingiu um acampamento do exército do país e matou quatro soldados.

"A República Árabe da Síria condena energicamente esta flagrante agressão das forças da coligação liderada pelos Estados Unidos, que violam de forma evidente os objetivos da carta das Nações Unidas", refere uma declaração do chefe da diplomacia síria citado pelos media estatais.

Quatro soldados da Síria morreram num bombardeamento sem precedentes da coligação internacional dirigida pelos EUA que atingiu um acampamento do exército do país, informou hoje o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

"Quatro soldados foram mortos e 13 feridos ontem [domingo] por um raide aéreo da coligação internacional contra um acampamento (...) do exército sírio a oeste da província de Deir Ezzor, a dois quilómetros de uma localidade sob controlo do grupo extremista Estado Islâmico", indicou o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahmane.

Segundo o mesmo responsável, foi a primeira vez que um ataque da coligação, que tem bombardeado o Iraque e a Síria há mais de um ano, matou forças do regime sírio.

Lusa

  • Atacantes usaram "tática defendida pelos extremistas do Daesh"
    1:43

    Ataque em Barcelona

    O ex-presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo esteve em direto, para a SIC Notícias, onde falou sobre o ataque desta quinta-feira nas Ramblas, em Barcelona. José Manuel Anes falou na tática defendida na revista dos extremistas do Daesh e que foi usada neste ataque: a utilização de viaturas "de preferência as mais pesadas para matar o maior número de pessoas".