sicnot

Perfil

Mundo

Deputados brasileiros elegem órgão que decidirá pedido de impugnação de Rousseff

A Câmara dos Deputados do Brasil escolhe hoje os 65 membros da comissão especial que vai decidir se o parlamento acolhe ou não o pedido de impugnação da Presidente Dilma Rousseff.

© Pilar Olivares / Reuters

A comissão é oficializada terça-feira e, no mesmo dia, é escolhido o relator e o presidente do órgão.

Dilma Rousseff tem até dez sessões da comissão para apresentar a sua defesa e aquele órgão mais cinco sessões para emitir um parecer sobre a aceitação do pedido de destituição ou o seu arquivamento.

O plenário da Câmara vota esse texto até 48 horas após a sua divulgação.

O processo de impugnação do mandato de Dilma Rousseff foi desencadeado no passado dia 02, quando o presidente da Câmara dos Deputados do Brasil, Eduardo Cunha, anunciou ter aceitado o pedido protocolado na Casa Legislativa em 14 de outubro por juristas.

O pedido de 'impeachment' sustenta que o Governo cometeu irregularidades fiscais no atual mandato, iniciado em janeiro deste ano, ao contrário de solicitações anteriores, que não foram acolhidas por levarem em conta somente questões relacionadas com a Presidência terminada em 2014.

Um dos coautores da ação que pede a impugnação de Rousseff, Helio Bicudo, é um dos fundadores do Partido dos Trabalhadores (PT, de centro-esquerda), mas deixou o partido em 2005.

O pedido também foi apoiado pelo principal partido de oposição, o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB).

Lusa

  • Mais de 1600 ações de fiscalizações a IPSS em dois anos
    1:05

    Expresso da Meia Noite

    Nos últimos dois anos, o Estado efetuou mais de 1600 ações de fiscalização a Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) das quais resultaram mais de 70 destituições e 80 participações ao Ministério Público (MP). Os números foram avançados pela secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, no programa Expresso da Meia-noite, na SIC Notícias.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Ilhas Selvagens são um tesouro no Atlântico que é preciso preservar
    2:33