sicnot

Perfil

Mundo

EUA vão investigar polícia de Chicago para averiguar uso excessivo da força e racismo

O Governo dos Estados Unidos anunciou hoje que abriu uma investigação na polícia de Chicago para averiguar se há racismo e uso excessivo da força, depois da morte de um jovem negro durante uma ação policial em 2014.

Reuters/Arquivo

Reuters/Arquivo

© Jim Young / Reuters

"Estou aqui para anunciar que o Departamento de Justiça abriu uma investigação para averiguar se o departamento da polícia de Chicago cometeu uma violação à Constituição e à lei", disse a procuradora-geral Loretta Lynch numa conferência de imprensa em Washington.

A investigação está ligada ao caso do jovem negro Laquan McDonald, de 17 anos, baleado 16 vezes por um agente da polícia em outubro de 2014.

As autoridades vão averiguar se a polícia de Chicago incorre em práticas racistas e se utiliza força excessiva nas suas ações.

Esta investigação é similar às ocorridas nos departamentos de polícia nas cidades de Ferguson, no estado do Missouri, e em Baltimore, no estado de Maryland, onde outros cidadãos negros morreram em ações policiais.

Lusa

  • Troika nem sempre protegeu os mais vulneráveis - avaliação interna ao FMI

    Economia

    O organismo de avaliação independente do FMI concluiu que as medidas aplicadas pela 'troika' em Portugal nem sempre protegeram as pessoas com menos rendimentos, apontando que a primeira preocupação do Fundo era a redução dos défices, apurou o gabinete independente de avaliação do Fundo Monetário Internacional (FMI),

  • 64, 65 ou 73, afinal quantas são as vítimas de Pedrógão?
    1:27
  • Enfermeiros suspendem greve e protesto

    País

    Os enfermeiros decidiram esta segunda-feira suspender a greve de zelo e o protesto contra o não pagamento do trabalho especializado, devido ao compromisso do Governo de iniciar negociações sobre matérias como horários de trabalho e remunerações, indicou fonte sindical.

  • A Minha Outra Pátria
    29:53
  • O apelo da adolescente arrependida de ir lutar pelo Daesh

    Daesh

    Uma adolescente alemã que desapareceu da casa dos pais, no estado da Saxónia, esteve entre os vários militantes do Daesh detidos este fim de semana na cidade iraquiana de Mossul. Arrependida do rumo que deu à sua vida, deixou um apelo emocionado em que expressa, repetidamente, a vontade de "fugir" e voltar para casa.

    SIC