sicnot

Perfil

Mundo

ONU alerta que extremistas podem fabricar "bomba suja" com matérias radioativas

O diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), Yukiya Amano, pediu hoje a todos os países que impeçam os extremistas de aceder a matérias radioativas com as quais possam fabricar uma "bomba suja".

Diretor geral da Agência Internacional de Energia Atómica, Yukiya Amano (Reuters)

Diretor geral da Agência Internacional de Energia Atómica, Yukiya Amano (Reuters)

© Heinz-Peter Bader / Reuters

"A segurança nuclear é uma questão grave (que existe) há longa data. É uma ameaça real em todos os países onde as substâncias nucleares estão ao alcance dos terroristas", declarou Amano, durante uma visita às Filipinas onde participa numa conferência sobre energia atómica.

"Se as matérias nucleares caírem nas mãos dos terroristas, podem ser usadas numa bomba suja", cujo fabrico é muito mais simples do que uma bomba atómica, disse.

A AIEA, organização autónoma no âmbito das Nações Unidas, pode ajudar os diferentes governos a combater esta ameaça, explicou aos jornalistas.

Yukiya Amano acrescentou que a organização pode treinar a polícia de fronteira e alfandegária a detetar o tipo de materiais em causa ou fornecer aos governos aparelhos de deteção e outros equipamentos.

Lusa

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.