sicnot

Perfil

Mundo

ONU pede montante recorde de cerca de 19 mil M€ para resposta a crises

As Nações Unidas pediram hoje o montante recorde de 20.100 milhões de dólares, cerca de 19 mil milhões de euros (M€), o maior alguma vez pedido pela organização - para responder às necessidades de 88 milhões de pessoas afetadas por várias crises.

Reuters/Arquivo)

Reuters/Arquivo)

© Yannis Behrakis / Reuters

Estes 88 milhões são os mais vulneráveis e marginalizados dos 125 milhões de seres humanos que precisam de assistência humanitária para sobreviver.

O montantes de 20.100 milhões de dólares representa cinco vezes o que a ONU pedia há uma década, e demonstra não só a multiplicação de conflitos, desastres e crises no mundo, mas o número sem precedentes de pessoas afetadas.

Atualmente, 60 milhões de pessoas foram forçadas a abandonar as suas casas e sobrevivem como refugiados ou deslocados internos, o maior número desde a Segunda Guerra Mundial.

Os fundos pedidos vão ser distribuídos por 37 países afetados por 27 crises: Afeganistão, Birmânia (Myanmar) Burkina Faso, Camarões, Chade, Jibuti, Etiópia, Gâmbia, Guatemala, Haiti, Honduras, Iémen, Iraque, Líbia, Mali, Mauritânia, Níger, Nigéria, Palestina, República Centro-Africana, República Democrática do Congo (RDCongo), Senegal, Somália, Sudão do Sul, Síria e Ucrânia.

As crises no Burundi, Iémen, Nigéria, República Centro-Africana, Sudão do Sul e Síria são regionais e afetam os países vizinhos, por isso o número total de nações incluídas no plano é superior a 37.

De todas, a crise que requer mais fundos é, uma vez mais, a Síria: 3.200 milhões de dólares para a assistência no interior do país, e 4.800 milhões para ajuda humanitária nas nações vizinhas (Egito, Iraque, Jordânia, Líbano e Turquia), onde residem mais de quatro milhões de refugiados sírios.

Em 2015, a ONU pediu 2.900 milhões de dólares para a Síria, tendo conseguido apenas 1.200. Para a resposta regional, foram pedidos 4.500 milhões e obtidos 2.400.

A segunda crise é a do Sudão do Sul, com 1.300 milhões pedidos para responder às necesidades do país e 600 milhões para ajudar os refugiados sul-sudaneses em outros países.

Para o Iémen, a ONU pediu 1.600 milhões para a resposta no país, onde 80% da população precisa de assistência para sobreviver, e 94 milhões para a assistência regional.

Seguem-se a Etiópia, com mil milhões, e o Iraque com 861 milhões de dólares.

Este pedido de fundos inclui a Guatemala e as Honduras, cujas necessidades duplicaram relativemente ao corrente ano, devido aos efeitos negativos do fenómeno meteorológico 'El Niño', junto de populações que vivem em situações muito vulneráveis.

A ONU pediu 45,9 milhões de dólares para as Honduras (contra 13,2 em 2015) e 55,7 milhões para a Guatemala (23,8 em 2015).

Para responder a todas as crises no corrente ano, a ONU pediu 19.900 milhões de dólares, mas até à data, só conseguiu 9.700, o que representa apenas 49% do pedido.

Se não se verificarem alterações, as agências humanitárias vão terminar o ano com um défice de financiamento de 10.200 milhões de dólares, o maior até à data.

Lusa

  • SIC faz-se à estrada para ouvir eleitores
    2:13
  • Furacão Maria ameaça Ilhas Virgens e Porto Rico

    Mundo

    O furacão Maria "potencialmente catastrófico" está a ameaçar as Ilhas Virgens e o Porto Rico, depois de esta terça-feira ter semeado a destruição na Dominica e provocado um morto e dois desaparecidos na ilha francesa de Guadalupe.

  • Pistolas Nerf podem causar graves lesões nos olhos

    Mundo

    As balas das pistolas Nerf, quando atingem os olhos, podem causar graves lesões. O aviso é de um grupo de médicos de Londres, que recomenda a utilização de óculos protetores e o aumento da idade mínima para a utilização dos brinquedos.

    SIC

  • Investigadores descobrem como transformar gordura "má" em gordura "boa"

    Mundo

    Uma equipa de investigadores da Universidade de Washington, Estados Unidos, descobriu como converter a gordura corporal "má" em gordura "boa", permitindo queimar mais calorias e atrasar o aumento de peso, num estudo conduzido em ratos. Estes resultados abrem caminho para a possibilidade de desenvolver tratamentos mais eficazes para a obesidade e para a diabetes associada ao aumento de peso em pessoas, segundo os autores.

  • Escola na Croácia usa imagem de Melania Trump para chamar alunos

    Mundo

    "Imagine até onde pode ir com um pouco de inglês", foi com estas palavras que uma escola de inglês da Croácia decidiu promover as suas aulas, juntando ainda a fotografia de Melania Trump ao placard do anúncio. Agora, a primeira-dama norte-americana ameaça levar o Instituo Americki a tribunal. Entretanto, o placard já foi retirado do local.

    SIC