sicnot

Perfil

Mundo

ONU pede montante recorde de cerca de 19 mil M€ para resposta a crises

As Nações Unidas pediram hoje o montante recorde de 20.100 milhões de dólares, cerca de 19 mil milhões de euros (M€), o maior alguma vez pedido pela organização - para responder às necessidades de 88 milhões de pessoas afetadas por várias crises.

Reuters/Arquivo)

Reuters/Arquivo)

© Yannis Behrakis / Reuters

Estes 88 milhões são os mais vulneráveis e marginalizados dos 125 milhões de seres humanos que precisam de assistência humanitária para sobreviver.

O montantes de 20.100 milhões de dólares representa cinco vezes o que a ONU pedia há uma década, e demonstra não só a multiplicação de conflitos, desastres e crises no mundo, mas o número sem precedentes de pessoas afetadas.

Atualmente, 60 milhões de pessoas foram forçadas a abandonar as suas casas e sobrevivem como refugiados ou deslocados internos, o maior número desde a Segunda Guerra Mundial.

Os fundos pedidos vão ser distribuídos por 37 países afetados por 27 crises: Afeganistão, Birmânia (Myanmar) Burkina Faso, Camarões, Chade, Jibuti, Etiópia, Gâmbia, Guatemala, Haiti, Honduras, Iémen, Iraque, Líbia, Mali, Mauritânia, Níger, Nigéria, Palestina, República Centro-Africana, República Democrática do Congo (RDCongo), Senegal, Somália, Sudão do Sul, Síria e Ucrânia.

As crises no Burundi, Iémen, Nigéria, República Centro-Africana, Sudão do Sul e Síria são regionais e afetam os países vizinhos, por isso o número total de nações incluídas no plano é superior a 37.

De todas, a crise que requer mais fundos é, uma vez mais, a Síria: 3.200 milhões de dólares para a assistência no interior do país, e 4.800 milhões para ajuda humanitária nas nações vizinhas (Egito, Iraque, Jordânia, Líbano e Turquia), onde residem mais de quatro milhões de refugiados sírios.

Em 2015, a ONU pediu 2.900 milhões de dólares para a Síria, tendo conseguido apenas 1.200. Para a resposta regional, foram pedidos 4.500 milhões e obtidos 2.400.

A segunda crise é a do Sudão do Sul, com 1.300 milhões pedidos para responder às necesidades do país e 600 milhões para ajudar os refugiados sul-sudaneses em outros países.

Para o Iémen, a ONU pediu 1.600 milhões para a resposta no país, onde 80% da população precisa de assistência para sobreviver, e 94 milhões para a assistência regional.

Seguem-se a Etiópia, com mil milhões, e o Iraque com 861 milhões de dólares.

Este pedido de fundos inclui a Guatemala e as Honduras, cujas necessidades duplicaram relativemente ao corrente ano, devido aos efeitos negativos do fenómeno meteorológico 'El Niño', junto de populações que vivem em situações muito vulneráveis.

A ONU pediu 45,9 milhões de dólares para as Honduras (contra 13,2 em 2015) e 55,7 milhões para a Guatemala (23,8 em 2015).

Para responder a todas as crises no corrente ano, a ONU pediu 19.900 milhões de dólares, mas até à data, só conseguiu 9.700, o que representa apenas 49% do pedido.

Se não se verificarem alterações, as agências humanitárias vão terminar o ano com um défice de financiamento de 10.200 milhões de dólares, o maior até à data.

Lusa

  • Pagaram 10 libras por diamante que vale milhares

    Mundo

    Há 30 anos um comprador adquiriu um anel de diamantes de 26.27 quilates por apenas 10 libras (cerda de 11 euros) numa feira em Isleworth, no oeste Londres. O proprietário passeou durante três décadas com uma peça que valia cerca de 350.000 libras (407.000€) e não sabia. Confessa que até a usava durante as tarefas domésticas.

    SIC

  • Leão-marinho arrasta criança de doca em Vancouver
    0:51

    Mundo

    O momento em que um leão-marinho arrasta uma menina para a água foi gravado e publicado na internet. Sem nada que fizesse prever, o animal puxou a criança que estava sentada numa doca em Vancouver, no Canadá. A criança foi resgatada de imediato por um familiar e apesar do susto não sofreu ferimentos. O momento de aflição foi testemunhado por vários turistas.

  • Caçador morre esmagado por elefante

    Mundo

    Um famoso caçador morreu na sexta-feira após ser esmagado por um elefante quando estava a caçar. A morte foi confirmada pelas autoridades do Zimbabué, que adiantaram ainda que o animal foi morto por um dos caçadores do grupo de Theunis Botha.