sicnot

Perfil

Mundo

Presidente cubano envia mensagem a Nicolás Maduro após eleições na Venezuela

O Presidente de Cuba, Raúl Castro, enviou uma mensagem de apreço ao seu homólogo venezuelano, Nicolás Maduro, depois da derrota histórica que este sofreu nas eleições de domingo, que passou o controlo do Parlamento para a oposição.

Reuters

Reuters

© Carlos Garcia Rawlins / Reute

O líder cubano expressou "admiração" pela "extraordinária batalha" travada por Maduro, o sucessor do Presidente Hugo Chávez, que agora será obrigado a trabalhar com um parlamento dominado pela oposição.

"Querido Maduro, tenho acompanhado minuto a minuto a batalha extraordinária que tem sido travada", escreveu Castro no jornal estatal Granma.

"Estou certo que novas vitórias virão para a Revolução Bolivariana", referiu o Presidente cubano no texto, referindo-se às políticas implementadas desde a governação de Chávez.

Uma coligação de centro-direita, a Mesa de Unidade Democrática (MUD), conquistou 99 dos 167 lugares do parlamento nas eleições de domingo, pela primeira vez em 16 anos.

Os eleitores acabaram por punir o Governo de Maduro devido à recessão económica que atravessa o país, que também vive uma grave crise na segurança.

Maduro aceitou a derrota, um duro golpe para a sua liderança e para a "Revolução" do "socialismo do século XXI", lançada pelo já falecido Presidente Chávez.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.