sicnot

Perfil

Mundo

Presidente cubano envia mensagem a Nicolás Maduro após eleições na Venezuela

O Presidente de Cuba, Raúl Castro, enviou uma mensagem de apreço ao seu homólogo venezuelano, Nicolás Maduro, depois da derrota histórica que este sofreu nas eleições de domingo, que passou o controlo do Parlamento para a oposição.

Reuters

Reuters

© Carlos Garcia Rawlins / Reute

O líder cubano expressou "admiração" pela "extraordinária batalha" travada por Maduro, o sucessor do Presidente Hugo Chávez, que agora será obrigado a trabalhar com um parlamento dominado pela oposição.

"Querido Maduro, tenho acompanhado minuto a minuto a batalha extraordinária que tem sido travada", escreveu Castro no jornal estatal Granma.

"Estou certo que novas vitórias virão para a Revolução Bolivariana", referiu o Presidente cubano no texto, referindo-se às políticas implementadas desde a governação de Chávez.

Uma coligação de centro-direita, a Mesa de Unidade Democrática (MUD), conquistou 99 dos 167 lugares do parlamento nas eleições de domingo, pela primeira vez em 16 anos.

Os eleitores acabaram por punir o Governo de Maduro devido à recessão económica que atravessa o país, que também vive uma grave crise na segurança.

Maduro aceitou a derrota, um duro golpe para a sua liderança e para a "Revolução" do "socialismo do século XXI", lançada pelo já falecido Presidente Chávez.

Lusa

  • Mulher enterrada viva no Brasil
    1:13

    Mundo

    Uma mulher de 37 anos terá sido enterrada viva no oeste da Bahia, no Brasil. A certidão de óbito aponta um choque séptico como a causa da morte, mas os ferimentos com que foi encontrada no interior do caixão indicam um possível erro. Os moradores de casas vizinhas do cemitério municipal onde Rosângela dos Santos foi enterrada ouviram gritos vindos do túmulo.

  • António Guterres, "o governante mais amado desde sempre em democracia"
    2:27

    País

    António Guterres foi distinguido com o grau de honoris causa pela Universidade de Lisboa. A cerimónia decorreu esta manhã e contou com a presença do Presidente da República e do primeiro-ministro. Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou que Guterres foi o governante mais amado da democracia portuguesa.