sicnot

Perfil

Mundo

Tempestade no Reino Unido fez dois mortos

Duas pessoas morreram na sequência da tempestade que se fez sentir no sábado no Reino Unido e que causou cheias no norte do país.

© Phil Noble / Reuters

A primeira vítima, um homem com 90 anos, morreu atropelado no sábado à tarde em Londres depois de uma forte rajada de vento o empurrar contra um autocarro que passava na altura.

A segunda vítima foi encontrada hoje no rio Kent, perto de Kendal no norte de Inglaterra. De acordo com a polícia local, por razões ainda desconhecidas, o idoso terá caído ao rio.

Entretanto, o primeiro-ministro David Cameron presidiu esta manhã a uma reunião do comité de emergência Cobra para avaliar os prejuízos do mau tempo e anunciou que visitará a região norte do país.

Ao todo, estima-se que cerca de 60 mil casas, na região noroeste de Cumbria, tenham ficado sem eletricidade na sequência da tempestade Desmond e 2000 habitações e empresas foram inundadas pelas cheias.

Esta segunda-feira, duas dezenas de escolas não abriram portas e a universidade de Lancaster cancelou as aulas até Janeiro.

  • Fogo em Sabrosa entrou em fase de resolução

    País

    O incêndio que deflagrou terça-feira em Vilela do Douro, Sabrosa, distrito de Vila Real, entrou a meio da manhã de hoje em fase de resolução, segundo a Autoridade Nacional de Proteção Civil.

  • Governo garante reforço das verbas para defesa da floresta até ao fim do ano
    2:37

    País

    O Governo rejeitou centenas de candidaturas com projetos para a prevenção de incêndios florestais, por falta de verbas. Perante a situação, o Bloco de Esquerda questionou o Ministério da Agricultura sobre as reprovações. Contudo, contactado pela SIC, o ministro Capoulas Santos garantiu que o programa de desenvolvimento rural está a ser reajustado e, até ao final do ano, está previsto o reforço de verbas.

  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • "Burlão do amor" acusado de tirar 450 mil euros a amante
    2:21

    País

    Um homem com cerca de 50 anos é acusado de tirar 450 mil euros a uma mulher com quem começou por ter uma relação profissional. Ele pedia, ela emprestava. Anos depois, ela ficou insolvente, com dívidas à banca de 214 mil euros e sem emprego. O homem é arguido, nega a relação amorosa entre ambos, mas admite ter recebido dinheiro dela. Garante, no entanto, que tenciona pagar o que deve.