sicnot

Perfil

Mundo

Cameron considera "inúteis" comentários de Donald Trump sobre muçulmanos

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, considerou que os comentários sobre os muçulmanos feitos pelo pré-candidato às eleições presidenciais norte-americanas Donald Trump são "inúteis", criam "divisões" e são fruto de "equívocos", disse hoje um porta-voz oficial.

© Stoyan Nenov / Reuters

Numa reunião com jornalistas britânicos, um porta-voz do número 10 de Downing Street, sede do Governo de Londres, referiu-se à polémica gerada pelos últimos comentários de Donald Trump, que se mostrou favorável à proibição de entrada de muçulmanos nos Estados Unidos.

"O primeiro-ministro britânico está totalmente em desacordo com os comentários de Donald Trump, que causam divisões, são inúteis e completamente equivocados", referiu o porta-voz, citado pela agência noticiosa espanhola EFE, que não identifica o autor das palavras.

O porta-voz, por outro lado, escusou-se a responder a uma pergunta sobre se o Reino Unido negará a Trump a entrada no Reino Unido em virtude das leis que penalizam os discursos que fomentam o ódio.

Segunda-feira, num comunicado, o pré-candidato republicano à Casa Branca pediu para ser proibida a entrada nos Estados Unidos a todos os muçulmanos, em resposta ao "ódio" que, defende, têm em relação aos norte-americanos.

Trump defendeu um bloqueio "completo e total" à entrada de muçulmanos no país até que as autoridades "averiguem o que se está a passar".

"Sem olhar para os dados das pesquisas, é óbvio para qualquer um que aquele ódio está para além da compreensão. De onde aquele ódio vem é algo que temos de determinar", disse o magnata.

"Até se identificar e compreender o problema e a perigosa ameaça, o nosso país não pode ser vítima de horrendos ataques de gente que só acredita na «jihad» e que não tem qualquer sentido e respeito pela vida humana", acrescentou.

Donald Trump divulgou o comunicado depois de o Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, defender que o grupo extremista Estado Islâmico "não fala em nome do Islão" e pedir aos norte-americanos para não confundir radicais com o resto dos muçulmanos.

A Casa Branca já criticou a mensagem de Donald Trump, considerando-a contrária aos valores dos norte-americanos.

"O respeito pela liberdade religiosa está inscrito na nossa Declaração de Direitos", afirmou ao canal de televisão CNN Ben Rhodes, conselheiro do Presidente norte-americano.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.