sicnot

Perfil

Mundo

Maduro pede demissão dos seus ministros após derrota nas legislativas

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, pediu aos seus ministros para se demitirem, com o objetivo de fazer uma "reestruturação" do Governo após a vitória da oposição nas eleições parlamentares de domingo.

© Handout . / Reuters

"Eu pedi ao Conselho de Ministros para apresentar a demissão, para efetuar um processo de restruturação, de renovação e de profundo relançamento de todo o Governo nacional", disse Maduro durante o seu programa semanal de rádio e televisão.

"Isto é o que eu quero: um programa para a nova etapa da revolução, com uma revisão profunda - um começo, caramba!", disse o chefe de Estado venezuelano.

Unida na coligação da Mesa da Unidade Democrática (MUD), a oposição obteve, nas eleições de domingo, 112 dos 167 lugares que compõem o parlamento venezuelano, uma maioria de dois terços que lhe confere amplos poderes.

O Presidente Maduro, cujo mandato termina em 2019, convocou para quinta-feira o seu partido, o Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), para um dia de consultas.

A vitória da oposição nas eleições parlamentares, a primeira em 16 anos, marca uma viragem histórica contra o 'chavismo' (nome derivado do falecido Hugo Chavez, presidente entre 1999 e 2013), até à agora habituado a deter a totalidade dos poderes na Venezuela.

O resultado eleitoral surge num contexto de descontentamento popular face à crise económica no país, devido à queda do preço do petróleo.

O secretário executivo da MUD, Jesus Torrealba, indicou que os 112 deputados vão reunir na quinta-feira para abordar o seu papel na futura Assembleia, que será instalada a 05 de janeiro.

A maioria de dois terços da oposição permite, por exemplo, convocar um referendo ou estabelecer uma assembleia constituinte.

Além disso, a oposição "poderá reformular a composição do Tribunal supremo, que nos últimos tempos tomou decisões favoráveis ao Governo", explicou Carlos Malamud, perito sobre a América latina no Instituto Real Elcano de Madrid, segundo a agência AFP.

Lusa

  • Prisão preventiva para homicida de Barcelos
    1:43

    País

    O alegado homicida de Barcelos vai ficar em prisão preventiva, por quatro crimes de homicídio. Adelino Briote foi ouvido este sábado de manhã no Tribunal de Braga, depois de na sexta-feira ter alegadamente degolado quatro pessoas na freguesia de Tamel, em Barcelos.

  • Homem suspeito de matar a mulher em Esmoriz

    País

    Um homem é suspeito de ter esfaqueado este sábado mortalmente a mulher em Esmoriz, concelho de Ovar, num contexto de violência doméstica, disse à agência Lusa fonte da Guarda Nacional Republicana (GNR).

  • Morte de portuguesa no Luxemburgo afinal não aconteceu

    País

    A morte de uma portuguesa em Bettembourg, no sul do Luxemburgo, não terá acontecido. O Jornal do Luxemburgo avançou, esta manhã, que a emigrante portuguesa tinha sido baleada mortamente pelo filho, uma informação entretanto desmentida por outro jornal online. Segundo o Bom Dia Luxemburgo, o que aconteceu foi afinal uma rusga policial.

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Milhares nas cerimónias fúnebres de dirigente do Hamas

    Mundo

    Milhares de palestinianos participaram nas cerimónias fúnebres de um dirigente do Hamas, assassinado esta sexta-feira, na Faixa de Gaza. Vários homens armados acompanharam o cortejo fúnebre até à mesquita, onde se fizeram as últimas orações.