sicnot

Perfil

Mundo

Maduro pede demissão dos seus ministros após derrota nas legislativas

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, pediu aos seus ministros para se demitirem, com o objetivo de fazer uma "reestruturação" do Governo após a vitória da oposição nas eleições parlamentares de domingo.

© Handout . / Reuters

"Eu pedi ao Conselho de Ministros para apresentar a demissão, para efetuar um processo de restruturação, de renovação e de profundo relançamento de todo o Governo nacional", disse Maduro durante o seu programa semanal de rádio e televisão.

"Isto é o que eu quero: um programa para a nova etapa da revolução, com uma revisão profunda - um começo, caramba!", disse o chefe de Estado venezuelano.

Unida na coligação da Mesa da Unidade Democrática (MUD), a oposição obteve, nas eleições de domingo, 112 dos 167 lugares que compõem o parlamento venezuelano, uma maioria de dois terços que lhe confere amplos poderes.

O Presidente Maduro, cujo mandato termina em 2019, convocou para quinta-feira o seu partido, o Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), para um dia de consultas.

A vitória da oposição nas eleições parlamentares, a primeira em 16 anos, marca uma viragem histórica contra o 'chavismo' (nome derivado do falecido Hugo Chavez, presidente entre 1999 e 2013), até à agora habituado a deter a totalidade dos poderes na Venezuela.

O resultado eleitoral surge num contexto de descontentamento popular face à crise económica no país, devido à queda do preço do petróleo.

O secretário executivo da MUD, Jesus Torrealba, indicou que os 112 deputados vão reunir na quinta-feira para abordar o seu papel na futura Assembleia, que será instalada a 05 de janeiro.

A maioria de dois terços da oposição permite, por exemplo, convocar um referendo ou estabelecer uma assembleia constituinte.

Além disso, a oposição "poderá reformular a composição do Tribunal supremo, que nos últimos tempos tomou decisões favoráveis ao Governo", explicou Carlos Malamud, perito sobre a América latina no Instituto Real Elcano de Madrid, segundo a agência AFP.

Lusa

  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Brasileiros procuram Portugal
    3:59

    País

    Viver em Portugal é hoje em dia um grande sonho da classe média brasileira. De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, só em 2016, o número de vistos de residência aumentarem em mais de 30%. A língua, a segurança e a qualidade de vida são as razões apontadas para a mudança. Todos os dias, no consulado português no Rio de Janeiro, para a obtenção de vistos.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.