sicnot

Perfil

Mundo

Turquia pede aos seus cidadãos para abandonarem o Iraque

A Turquia apelou hoje a todos os seus cidadãos para abandonarem o Iraque, à exceção de algumas províncias da região curda, ao evocar os riscos de segurança num comunicado divulgado pelo ministério dos Negócios Estrangeiros.

Reuters/Arquivo

Reuters/Arquivo

© Reuters Photographer / Reuter

"O nosso aviso é extensível aos viajantes que se encontrem em todas as províncias (iraquianas) à exceção (das províncias) de Dahuk, Erbil e Suleimaniyé", situadas na região curda do norte do país, indica o ministério dos Negócios Estrangeiros.

O comunicado aconselha a que sejam evitadas deslocações não essenciais a diversas províncias iraquianas, incluindo Basra, Najaf, Anbar e Kirkuk, e solicita aos cidadãos turcos presentes nessas regiões "que abandonem (essas províncias) o mais depressa possível".

Ancara referiu-se a crescentes ameaças dirigidas a empresas turcas, e ainda declarações que encorajam à violência, sequestros e ataques.

O ministério turco também apelou aos seus cidadãos presentes na região do Curdistão iraquiano que evitem as áreas onde decorrem operações contra o grupo Estado Islâmico (EI) e que obedecem às instruções da administração curda iraquiana.

O aviso surge na sequência da crescente tensão entre Ancara e o governo central de Bagdad sobre o envio pela Turquia de cerca de 300 soldados com o objetivo de treinar forças locais e retomar aos 'jihadistas' do EI a cidade de Mossul.

Lusa

  • As mulheres na clandestinidade durante o Estado Novo
    7:32

    País

    Não se sabe quantas mulheres portuguesas viveram na clandestinidade durante o Estado Novo, mas estiveram sempre lado a lado com os homens que trabalhavam para o Partido Comunista na luta contra a ditadura. Aceitavam serem separadas dos filhos e mudarem de identidade várias vezes ao longo dos anos. A história de algumas destas mulheres estão agora reunidas num livro que acaba de ser lançado.