sicnot

Perfil

Mundo

Centenas de argentinos celebram nas ruas tomada de posse de Macri como Presidente

Centenas de argentinos concentraram-se à meia-noite em frente à residência do futuro Presidente do país, Mauricio Macri, celebrando antecipadamente a sua investidura, prevista para o dia de hoje.

reuters

Entonando o hino nacional e gritando "sim, pode-se", centenas de simpatizantes de Macri rumaram à Avenida do Libertador para saudar o Presidente eleito.

A concentração paralisou o trânsito e dezenas de automobilistas fizeram soar as buzinas junto ao edifício onde mora Macri, que saiu para a varanda para os saudar, por diversas vezes, visivelmente emocionado e acompanhado pela mulher, Juliana Awada.

Buzinas e fogo-de-artifício ouviram-se também noutros pontos da cidade.

Contudo, também foram centenas os que se concentraram em frente à residência particular de Cristina Kirchner, com os simpatizantes da Presidente cessante a entoarem o hino peronista enquanto se escutavam gritos da oposição como "Argentina sem Cristina" ou "Maurício Presidente", lançados por simpatizantes de Macri.

Mauricio Macri, que sucede no cargo a Cristina Kirchner, que ocupou a Presidência durante oito anos, foi eleito à segunda volta das eleições realizadas a 22 de novembro, com 51,42% dos votos, contra os 48,60% de Daniel Scioli, o candidato que era apoiado por Kirchner.

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.