sicnot

Perfil

Mundo

Oposição síria disposta a negociar com representantes do regime

As principais fações políticas e militares da oposição síria, reunidas na Arábia Saudita, decidiram hoje iniciar negociações com representantes do regime do presidente Bashar Al-Assad.

(Arquivo/Reuters)

(Arquivo/Reuters)

© Omar Sanadiki / Reuters

Após uma conferência de dois dias na capital da Arábia Saudita, foi aprovado um documento em que as fações asseguram estar dispostas a negociar com representantes do regime de Al-Assad com mediação da ONU.

Nesse sentido, decidiram formar uma delegação que represente a oposição em futuras negociações para encontrar uma solução política para o conflito na Síria, que teve início em março de 2011, sendo que, quem fizer parte dessa equipa negociadora, não poderá participar posteriormente num eventual governo de transição.

Para os elementos da oposição, as negociações devem decorrer sob a égide da ONU e dos 11 países ocidentais e árabes que compõem o grupo "Amigos da Síria" por um período determinado pelas Nações Unidas.

O acordo político resultante das negociações deve ter como objetivo a criação de um Estado civil e de direito "sem que haja lugar para Bashar Al-Asad nem ninguém do seu regime" no processo político e no futuro da Síria.

A oposição pediu também garantias internacionais para o acordo, afirmando que "o processo de transição é responsabilidade dos sírios com o apoio da comunidade internacional, no respeito pela soberania nacional e sob um governo legitimamente eleito" pelo povo.

Os membros da oposição solicitaram ainda a expulsão "da pátria" de todos os combatentes estrangeiros, tanto as milícias como as forças armadas, numa alusão às tropas russas e iranianas e às milícias libanesas, além dos 'jihadistas' de múltiplas nacionalidades.

Os participantes - entre os quais há cerca de 15 fações armadas - concordaram em "reconstruir e reformar as instituições de segurança e militares" da Síria e comprometeram-se a que as instituições eleitas democraticamente sejam as únicas com direito a ter armas no país.

Por último, comprometeram-se a manter a unidade territorial da Síria, com um estado civil e soberano e com um regime democrático plural, sem discriminações de religião, sexo ou raça, segundo indica um comunicado difundido após o encontro.

A conferência de Riade é a primeira reunião celebrada por tantas fações distintas da oposição síria, ainda que um dos mais proeminentes grupos armados -- os denominados "Livres de Sham" (salafistas) - tenha anunciado a sua retirada e recusado o acordo final.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.