sicnot

Perfil

Mundo

Amnistia Internacional diz que Riade bombardeia escolas no Iémen

A organização humanitária Amnistia Internacional (AI) denunciou hoje que a coligação liderada pela Arábia Saudita que ataca huthis no Iémen bombardeou várias escolas nos últimos meses.

© Naif Rahmah / Reuters

A coligação atacou pelo menos cinco centros educativos entre agosto e outubro de 2015, provocando cinco mortos e 14 feridos, entre os quais quatro menores, segundo uma investigação divulgada pela AI.

"Apesar dos alunos não estarem no interior das escolas durante os ataques, as bombas destruíram os centros, o que terá consequências a longo prazo para as crianças", salienta, em comunicado, a AI.

A Amnistia Internacional recordou que o ataque a edifícios públicos e não militares é uma "flagrante violação da legislação internacional".

"As escolas são essenciais para a vida civil. Devem ser um local seguro para as crianças. São os menores iemenitas que vão pagar o preço dos ataques", refere a organização.

Os países do Conselho de Cooperação do Golfo e outros estados árabes, liderados pela Arábia Saudita, lançaram, em março, uma ofensiva no Iémen, com o apoio do Presidente iemenita, Abdo Rabu Mansur Hadi, contra os rebeldes huthis.

O Iémen vive uma crise política desde 22 de janeiro, na sequência da renúncia do Presidente Abd Rabbo Mansur Hadi e do seu Governo, dois dias depois da milícia xiita "huthis" assumir o controlo do palácio presidencial.

Os "huthis" já assumiram o controlo de sete províncias do país, mas a ONU considera Abd Rabbo Mansur Hadi como o "Presidente legítimo" do Iémen.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.