sicnot

Perfil

Mundo

Clinton diz que Trump deixou de ter piada após comentário sobre muçulmanos

A pré-candidata democrata às presidenciais norte-americanas Hillary Clinton afirmou na quinta-feira que o aspirante republicano às mesmas eleições Donald Trump deixou de ter piada, após sugerir que os muçulmanos sejam temporariamente impedidos de entrar nos EUA.

© Mark Kauzlarich / Reuters

"Eu já não acho que ele seja engraçado", afirmou Clinton, no programa "Late Night with Seth Meyers", da NBC, considerando que Trump passou dos marcas.

"E o que ele está a dizer agora não é apenas vergonhoso e errado, é perigoso", disse Clinton.

O pré-candidato republicano à Casa Branca Donald Trump pediu, esta semana, para ser proibida a entrada nos Estados Unidos de todos os muçulmanos em resposta ao "ódio" que, defende, têm em relação aos norte-americanos.

Em comunicado, Donald Trump defendeu um bloqueio "completo e total" à entrada de muçulmanos no país até que as autoridades "averiguem o que se está a passar".

As declarações de Trump desencadearam uma onda de indignação internacional, tendo inclusive sido criada uma petição 'online' para impedir a entrada do magnata no Reino Unido, disponível na página na Internet do Parlamento britânico e que ultrapassou num dia as 100 mil assinaturas, ganhando o direito de ser debatida pelos deputados.

Lusa

  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.