sicnot

Perfil

Mundo

Governo chileno quer retirar imóveis que estão nas mãos da viúva de Pinochet

O Governo chileno pediu hoje uma ação legal para restituir ao Estado os imóveis transferidos gratuitamente durante a ditadura para a fundação presidida pela viúva de Pinochet, estimados em nove milhões de dólares (8,2 milhões de euros).

© Claudia Daut / Reuters

De acordo com um comunicado, a petição foi feita pelo ministro dos Bens Nacionais, Víctor Osorio, para que os imóveis que atualmente pertencem à Fundação CEMA Chile, presidida por Lucía Hiriart, sejam restituídos às Finanças.

"Solicitámos ao Conselho de Defesa do Estado (CDE) que interponha uma ação judicial de reversão de domínio, para a restituição ao fisco dos imóveis transferidos gratuitamente, por não ter sido cumprida a finalidade social que serviu de fundamento a transferência gratuita", sublinhou o ministro.

Adiantou que também pediu ao regulador que avance com o pedido de medidas de precaução com o objetivo de evitar operações que venham a subtrair esses bens.

A fundação criada em 1957 pelo Presidente Carlos Ibáñez del Campo, com o fim de ajudar as mulheres mais pobres e que originalmente se denominou de Centro de Mães (CEMA), ficou a cargo de Lucía Hiriart na sequência do golpe militar de 11 de setembro de 1973.

Estima-se que entre 1973 e 1990 tenham sido transferidas para a fundação mais de 130 imóveis mediante um decreto assinado pelo próprio Pinochet.

Em 1990, terminada a ditadura, Lucía Hiriart mudou os estatutos da fundação que lhe permitiu ficar com o cargo perpétuo.

O presidente do CDE, Juan Ignacio Piña, sublinhou que "o Conselho de Defesa do Estado recebeu de forma oficial" a informação enviada pelo ministério dos Bens Nacionais, assunto que merece preocupação pelo destino e utilização dos imóveis.

A 25 de novembro, o centro de investigação jornalística (Ciper) denunciou que a viúva de Pinochet, de 92 anos, está avender propriedades que o Estado cedeu à Fundação CEMA.

Segundo a denúncia, os bens estão avaliados em cerca de nove milhões de dólares (8,2 milhões de euros, à taxa de câmbio atual).

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.