sicnot

Perfil

Mundo

Mariano Rajoy nega que ataque talibã tivesse como alvo a embaixada espanhola em Cabul

O presidente do Governo espanhol, Mariano Rajoy, negou hoje que o ataque talibã em Cabul tivesse como alvo a embaixada espanhola no Afeganistão, mas confirmou que um agente de polícia espanhol morreu no atentado.

Presidente do Governo espanhol, Mariano Rajoy (Reuters)

Presidente do Governo espanhol, Mariano Rajoy (Reuters)

© Sergio Perez / Reuters

"Não era um ataque contra nós, mas sim contra uma casa de hóspedes próxima", declarou Mariano Rajoy em Alicante, à margem de uma ação de campanha para as eleições gerais espanholas de 20 de dezembro.

Rajoy confirmou, no entanto, que um polícia espanhol morreu durante o ataque. Cerca de uma dezena de polícias espanhóis - todos de unidades especiais de intervenção - estão destacados na embaixada espanhola em Cabul.

As declarações de Rajoy surgem cerca de uma hora depois de o ministério dos Assuntos Exteriores de Espanha ter confirmado que o ataque talibã em Cabul tinha visado a embaixada espanhola no Afeganistão.

O ministério espanhol ressalvou que as comunicações com Cabul "estão difíceis" e apenas confirmou que o ataque aconteceu na embaixada, que hoje estava a cargo do encarregado de negócios espanhol naquele país.

Fontes oficiais em Cabul explicaram que o ataque começou cerca das 18:00 horas locais (13:30 em Lisboa) na área de Sherpor, na qual se encontram diversas embaixadas e edifícios governamentais.

O ataque iniciou-se com a explosão de um carro armadilhado, seguido de uma incursão de um grupo de talibãs suicidas num alojamento hoteleiro que fica perto da embaixada espanhola.

Os talibãs, que já reivindicaram a autoria do ataque, afirmaram que causaram um elevado número de vítimas.

Espanha tem atualmente 21 militares em operações no Afeganistão.

Lusa

  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, fez 100 dias este sábado. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52