sicnot

Perfil

Mundo

Apenas um terço dos brasileiros considera que melhorou de vida com Governos de Lula e Dilma

Apenas 32% dos brasileiros considera que melhorou de vida nos 13 anos de governo do Partido dos Trabalhadores (PT), de acordo com um estudo divulgado este domingo.

26% dos brasileiros dizem que a sua vida piorou desde 2003, durante sucessivos executivos do PT, primeiro com Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010) e, agora, com Dilma Rousseff. (Arquivo)

26% dos brasileiros dizem que a sua vida piorou desde 2003, durante sucessivos executivos do PT, primeiro com Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010) e, agora, com Dilma Rousseff. (Arquivo)

© Nacho Doce / Reuters

Já 26% dos brasileiros dizem que a sua vida piorou desde 2003, durante sucessivos executivos do PT, primeiro com Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010) e, agora, com Dilma Rousseff, enquanto 42% disseram que nada mudou, de acordo com um inquérito realizado pela empresa Datafolha, hoje publicada pelo jornal "Folha de São Paulo".

Sobre a atuação do Governo, apenas 24% da população valoriza a presidência do PT como boa, em comparação com 40% que a classifica como normal e 35% que a considera má ou muito má.

O estudo explica que essa perceção deve-se a fatores como a crise económica, os casos de corrupção, que levaram à detenção de muitos militantes do PT, e à fragilidade política atual no Brasil.

Os dados da pesquisa refletem a agitação social que se vive no país e que levou hoje milhares de brasileiros a sair às ruas para exigir o fim do mandato da atual chefe de Estado.

Grupos sociais como o Vem pra Rua ou o Movimento Brasil Livre organizaram na semana passada protestos em 90 cidades a reclamar o 'impeachment' (destituição) de Rousseff, aprovado pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, a 2 de dezembro.

As acusações que Rousseff enfrenta baseiam-se numa série de manobras fiscais que o Governo realizou em 2014 e continuou em 2015, de forma a mascarar as contas nacionais.

Essas práticas podem até ser consideradas "crimes de responsabilidade", um motivo previsto na Constituição brasileira para a destituição de um Governante.

Lusa

  • Atentados na Catalunha estão relacionados, 14 mortos

    Ataque em Barcelona

    Uma pessoa morreu e cinco suspeitos foram abatidos num segundo ataque esta madrugada em Espanha, depois do atentado de ontem que fez 13 mortos em Barcelona. As operações de busca centram-se num nome: Moussa Oukabir. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • Driss Oukabir: suspeito do atentado ou vítima de roubo de identidade?
    2:40

    Ataque em Barcelona

    Um dos dois suspeitos, do ataque nas Ramblas, detidos pela polícia foi inicialmente identificado como Driss Oukabir, um homem de 28 anos. Mais tarde, um homem com o mesmo nome apresentou-se numa esquadra em Girona, a mais de 100 quilómetros do local do atropelamento afirmando que lhe tinha sido roubada a identificação. De acordo com alguma imprensa espanhola, poderá ter sido o irmão, Moussa Oukabir, um jovem de 18 anos que vive em Barcelona, como explicou também Nuno Rogeiro, comentador da SIC.

  • "Nas Ramblas, é como se nada tivesse acontecido"
    1:35

    Ataque em Barcelona

    Um atentado terrorista em Barcelona matou 13 pessoas e feriu cerca de 100. O ataque aconteceu na zona das Ramblas, quando uma carrinha avançou sobre quem circulava nessa grande via no centro da capital da Catalunha. O repórter Emanuel Nunes está em Barcelona e deu conta do regresso à normalidade nas Ramblas, logo às primeiras horas da manhã.

  • Barcelona abalada pelo terrorismo
    1:03
  • "O abandono provoca incêndios desta dimensão"
    0:55

    País

    O antigo vereador da Câmara de Mação José Silva acredita que a desertificação do interior também é, em parte, responsável pelos incêndios. Segundo José Silva, Mação tem cada vez menos habitantes e é por essa razão que os terrenos são deixados ao abandono.

  • Mação perdeu 80% da área florestal
    3:39
  • Médicos e ministro da Saúde voltam hoje às negociações

    País

    O Ministério da Saúde deverá apresentar uma proposta que poderá ser decisiva para a convocação ou não de uma nova greve. O Sindicato Independente dos Médicos e a Federação Nacional de Médicos tinham anunciado, no dia 11 de agosto, que vão realizar uma greve de dois dias na primeira semana de outubro, se a nova proposta negocial não levar em conta o que reivindicam.